Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
40 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59142 )

Cartas ( 21236)

Contos (13107)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9441)

Erótico (13481)

Frases (46535)

Humor (19286)

Infantil (4462)

Infanto Juvenil (3733)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138253)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5528)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cordel-->Matemática da Naninha -- 14/12/2000 - 23:11 (Vânia Moreira Diniz) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. http://planeta.terra.com.br/arte/vaniadiniz

Matemática da Naninha
Professora dedicada me esperava
O exercício com rigor corrigia,
Sobre as manhas nem ponderava
E a conclusão em ansiedade almejava.

Na varanda de sua casa ficávamos,
O lápis ela me entregava sorrindo,
Tangerinas espalhadas
E o cheiro gostoso
Tão apetitoso
Minha memória
Conservou,
Guardou
com carinho.

Lá ia quando a matemática me irritava,
E não conseguia o raciocínio concentrar,
Ela então com ar sisudo me explicava,
Ensinava,
Elucidava,
Sem que eu tivesse tempo de abandonar.

O portão à nossa frente eu apreciava
Muitas vezes tinha vontade de brincar,
Andar,
E para a rua sair, mas dali não levantava,
Mesmo que os números eu não apreciasse,
E dos problemas não gostasse.

A matemática da Naninha, eu me lembro,
O lápis levantava e a tangerina cheirava,
Eu apreciava o odor gostoso e relembro
Das horas duras, mas agradáveis e aprendia.

Naninha era severa, mas me amava.
A cabeça era boa e o estudo sua crença,
O cérebro privilegiado sempre alimentava,
Enquanto a tangerina nos intervalos saboreava
E nos domingos devota e ligeira ia à missa.


Tarde memoráveis jamais esquecerei,
Nelas sempre pensarei,
Agradecerei,
E a matemática graças a boa Naninha
Sempre compreenderei.
Sua fruta preferida e aromática,
Sempre presente e simpática
Para meu olfato agradar
E com indescritível ternura recordar.


Querida Naninha cheia de sabedoria,
Sentada no jardim pequeno e acolhedor
Que hoje, sem dúvida me sensibilizaria
Com o conhecimento e o aguçado odor.
‘ Vânia Moreira Diniz









Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui