Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
41 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59135 )

Cartas ( 21236)

Contos (13102)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46519)

Humor (19281)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138234)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->XEQUE-MATE DO ENSINO PÚBLICO, de Michel Pinheiro -- 27/10/2004 - 19:17 (Michel Pinheiro) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.









XEQUE-MATE DO ENSINO PÚBLICO







Artigo publicado no jornal O POVO, dia 10 de novembro de 2004.





Michel Pinheiro

Juiz de Direito





O ensino público brasileiro está sofrendo suposto equívoco que pode comprometer sua efetividade. Isto porque a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei n. 9.394/96), que procurou fomentar a valorização do ensino - incluindo aí os docentes, vem sendo alvo de dúvida de interpretação: os gestores públicos estão promovendo mudança de cargo de professores que ingressam por concurso de nível médio quando concluem curso superior depois da posse. Isto faz com que os professores passem a ser classificados com cargo de nível superior e passem a receber remuneração condizente com dito cargo. Porém, a Constituição Federal de 1988, com a mudança da Emenda n. 19/98, passou a exigir que os concursos públicos atentassem obrigatoriamente para a natureza e a complexidade do cargo. Ou seja, como princípio geral do ingresso no serviço público – que deve ter observância necessária, o nível do concurso deve variar conforme o nível do cargo. Então, as provas para recrutar professor de nível médio não podem ser as mesmas para professor de nível superior. E, pela Constituição, o concurso é a forma natural e única de seleção, vedada qualquer outra, com exceção do cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração. O Supremo Tribunal Federal está invalidando casos como estes por considerar que o ingresso foi para nível médio, não tendo ocorrido submissão em avaliação por concurso próprio de nível superior. Penso que a conclusão do curso superior não dá presunção absoluta de qualificação. Assim, será que a melhoria para os professores está repercutindo para a qualidade do ensino? É certo que, na área da educação, mais vale qualidade do que quantidade. É bom lembrar que até aquele entendimento de que não era possível reprovar o aluno está sendo revisto. Eis uma “dor de consciência”.



















Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui