Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
75 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57107 )
Cartas ( 21170)
Contos (12598)
Cordel (10092)
Crônicas (22211)
Discursos (3137)
Ensaios - (9015)
Erótico (13403)
Frases (43758)
Humor (18486)
Infantil (3792)
Infanto Juvenil (2717)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138313)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4891)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Desabafo -- 01/04/2002 - 12:50 (Mário Tischer) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Caro amigo Mário,
Hoje sinto-me particularmente muito triste. Desolado por, muitas vezes, não poder cumprir fielmente com minhas obrigações de pai de família. Não com o que diz respeito ao carinho e ao amor, absolutamente que não. Mas, sim, com a manutenção da qualidade de vida e sustentabilidade do estágio de desenvolvimento de minhas filhas.
Pois veja, amigo, é incrível pensar que um trabalhador que dedica mais de vinte anos de esforço a um emprego e, mesmo assim, não consegue sequer proporcionar estabilidade à sua família.
Nessa situação, seu íntimo se deixa invadir pela raiva e seus reflexos intelectuais são dominados pela aspereza dos sentimentos.
Refletindo agora, sob os auspícios de um bom vinho suave, vem-me a intenção, ainda maior de, de alguma forma, contribuir para com mudanças em nosso País - pois não é tolerante o trabalho ser exposto à exploração e subjugado à corrupção, mas, infelizmente não sei como; sou tímido e o que sei parcamente é escrever algums palavras, onde tento chamar a atenção de alguns leitores para o que considero uma necessidade nacionalista.
Contudo, lateja em minhas veias, ainda, a esperança que sei também incrustada no âmago dos sonhos dos justos, pobres e honestos, de uma sociedade mais humanitária.
Nessa divagação, caro amigo, deixo-o agora, recosto minha cabeça no sofá e me deixo embalar, momentaneamente, pela ilusão da solução de todos os problemas que me atormentam.
Recife, 28/03/2002
Pedro Brasileiro
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui