Usina de Letras
Usina de Letras
20 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62153 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140788)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->Na outra margem alguém me espera com um pêssego e um país -- 16/08/2004 - 19:02 (Athos R. Miralha da Cunha) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos




”Na outra margem alguém me espera com um pêssego e um país”

Athos Ronaldo Miralha da Cunha



Os versos de Mario Benedetti no poema A ponte nos dão a dimensão do momento histórico e político em que vivemos. Estamos atravessando uma ponte, mas somos acometidos por uma inquietação: cruzá-la ou não cruzá-la, pois do outro lado da margem uma pessoa nos espera com um pêssego e um país.



Um poema reflexivo. Lendo-o, viajamos pelo imaginário complexo do que seja a espera de um cidadão com uma fruta com toda a singeleza que encerra e uma nação com todas as suas idiossincrasias.

A mensagem parece simples. E é. Mas, dialeticamente, também é complexa.

Talvez porque ao chegarmos na margem, após vencermos o medo da travessia, nos deparamos com um pêssego e, de quebra, um país.

O que fazer com um país e um pêssego? Não podemos escolher, a mensagem é pródiga em reflexão, justamente porque é inusitada.



Quando o povo brasileiro com coragem venceu o medo e votou na esperança e elegeu um operário presidente da República, estava caminhando por uma travessia de incertezas e não vislumbrava na outra margem um país, quiçá um pequeno e maduro pêssego.



Nós temos certeza do que queremos para um país.

O pêssego e o país. Essa é a dialética necessária. O pêssego é singelo, frágil, indefeso, simples e é possível apalpá-lo. O país é complexo, composto, gigante e para administrá-lo os desafios são grandiosos.



Esse é o maior desafio. Administrar um país como quem saboreia um suculento pêssego. É simples o que fazer com um pêssego, é complexo o que fazer com um país.

Mas nesse poema o pêssego é fundamental. Ele só é poema porque alguém está a espera com um pêssego... e um país.



Embora alguns desencantos e sonhos perdidos nós ainda percebemos uma pessoa na outra margem e vemos com nitidez um país e um pêssego. Trazemos apenas os olhos cansados, um andar falquejado e mãos trêmulas que rogam por paz e justiça e, na maioria das vezes, por um prato de comida. No entanto, nosso sorriso é largo porque somos nós que enfrentamos essa travessia em busca dessa fruta.



E, enquanto a oferenda for um pêssego e um país nós ainda podemos acreditar na utopia que nunca deixará de ser possível.

Nós perderemos a esperança quando alguém na outra margem nos espera apenas com um país. Aí, sim. Será o fim do que resta de uma utopia possível, pois não descascaremos uma fruta e não lambuzaremos nossas mãos com o seu caldo antes de comandarmos um país.







PS

Nesse ano de eleições municipais nós seremos chamados para exercer nossa cidadania, votando para prefeito e vereador. Atravessando o rio dos nossos sonhos, na outra margem alguém me espera com uma cuia de chimarrão e uma cidade. E eu votarei na cidade como quem saboreia o chimarrão numa tarde encarnada.





A Ponte



Pra cruzá-la ou não cruzá-la

eis a ponte

na outra margem alguém me espera

com um pêssego e um país

Trago comigo oferendas desusadas

entre elas um guarda-chuva de umbigo de madeira

um livro com os pânicos em branco

e um violão que não sei abraçar

Venho com as faces da insônia

os lenços do mar e das pazes

os tímidos cartazes da dor

As liturgias do beijo e da sombra

Nunca trouxe tanta coisa

nunca vim com tão pouco

Eis a ponte para cruzá-la ou não cruzá-la

E eu vou cruzar sem prevenções

Na outra margem alguém me espera

com um pêssego e um país.



(Mário Benedetti)













Bandeira cor de aurora (Aos petistas que olham além do horizonte)



Berço esplêndido



Mancha verde humanista

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui