Usina de Letras
Usina de Letras
99 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62140 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10334)

Erótico (13566)

Frases (50548)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4749)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->O cálice de Dionizio -- 05/08/2004 - 18:01 (Athos R. Miralha da Cunha) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos




O cálice de Dionizio

Athos Ronaldo Miralha da Cunha



O vinho desse cálice é vermelho e intenso e brilha no seu seio uma estrela dourada.

Possui um rubi incandescente com matizes de aurora. Um forte aroma de flores e frutas encarnadas que nos enleva com um agradável paladar. Uma fragrância limite entre cereja e a groselha. De posse desse cálice nós enxergamos a vida digna num horizonte de candentes expectativas.



Não nos afastamos desse cálice porque há um cristal em nossos olhos inquietos. Pois esse cálice é o cálice da vida e representa o sangue, o pão, a justiça e a liberdade. Desse bojo cristalino exala um cheiro de agricultor e de chão, de campesina e sabão. Gente que lavra a esperança e semeia sonhos e enxágua desilusões. E nunca se cansa de caminhar.



Esse cálice contém o ambiente das serras, das matas e das veredas. As sementes que nos darão os frutos e das encostas com parreirais que nos darão as suculentas, deliciosas e eternamente uvas vermelhas. Nesse cálice sentimos o suor das mãos que colheram a uva. E a penumbra silenciosa dos subsolos que acalentaram o sossegado sono das garrafas. Nesse cristal rodamos o vinho e saboreamos a utopia.

É requintado e nobre. É modesto e humilde. É aconchegante e essencial.



Percebemos nesse rubro riacho os gestos suaves e delicados de uma dama e os rudes trejeitos de um humilde trabalhador.

Não há preconceitos no interior desse cálice. Pois esse cálice simboliza a saga dos imigrantes que cantaram “Mérica”. Assim, podemos sorver essa dádiva líquida em copos, canecas ou xícaras. Mas devemos sorver com a audácia dos imprescindíveis.

Há uma fantasia floral que nos enternece. E um sabor digno dos deuses que sonhamos para o povo.



Com esse cálice celebramos a luz que ilumina nossos corações e concretizamos a amizade em gestos singelos. Suavizamos sonhos e moldamos momentos de descontração. Com o vinho somos eternamente jovens e com ele brindamos a saúde.



Nesse cristal de sonhos rodamos o reflexo das estrelas com aromas de mudanças e justiça.

Nesse cristal de estrelas referenciamos a grandiosidade de uma existência. E vemos que as estrelas brilham porque têm o universo como limite.

Esse intenso rubi nos embriaga de felicidade e nos enche de otimismo. Nesse circuito de astros podemos acreditar ainda mais que a felicidade e a esperança são forjadas pelas cores quentes. E são possíveis.

E por isso nós estamos aqui saboreando esse encantamento. Por acreditar que a vida pode e deve continuar mudando.











Bandeira cor de aurora (Aos petistas que olham além do horizonte)





Berço esplêndido





Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui