Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
253 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57965 )
Cartas ( 21205)
Contos (12826)
Cordel (10235)
Crônicas (22053)
Discursos (3146)
Ensaios - (9196)
Erótico (13452)
Frases (45052)
Humor (18892)
Infantil (4100)
Infanto Juvenil (3143)
Letras de Música (5499)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138530)
Redação (2987)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2416)
Textos Jurídicos (1932)
Textos Religiosos/Sermões (5200)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->DANOU-SE... -- 16/04/2020 - 10:01 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 

DANOU-SE...

 

De prontidão, pela primeira vez, numa trincheira de combate fronteiriça, um soldado assustado com aquele cenário belico em que se encontrava metido, perguntou:

- Capitão, se o inimigo não aparecer logo, o que eu farei com este fuzil totalmente carregado? Eu já estou ficando cansado – informou.

O capitão que já estava acostumado a lidar com principiantes, aparentando toda a calma do mundo, respondeu:

- Coloque-o para descansar um pouco, mas não se desgarre dele de jeito nenhum, pois precisará usá-lo a qualquer momento.

O recruta entendeu a ordem do capitão, mas pretendia fazer outras perguntas e o fez em seguida:

- Capitão, quando eu for ao banheiro tomar banho, o que farei com  minha arma?

Ainda que estivesse um pouco afastado do soldado, sem perder a calma, o capitão respondeu apenas a primeira parte da pergunta:

- Soldado, aqui no campo de batalha não há espaço físico para essa finalidade.

O soldado era muito medroso e o que ele tencionava, na verdade, era sair um pouco da linha de frente do campo de batalha e por isso voltou a perguntar:

- Capitão, se eu quiser fazer minha necessidade fisiológica número 1, o que eu faço?

O capitão respirou fundo, se controlou ao máximo para não perder as estribeiras e  respondeu:  

- Soldado, você pode fazer aí mesmo, próximo ao seu colega, mas sem se desgarrar do seu fuzil.

O soldado, não se dando por satisfeito com as alternativas apresentadas pelo seu superior, partiu para o tudo ou nada:

- Capitão, agora também me deu vontade de fazer a número 2, mas não estou vendo papel higiênico... O que eu faço?

O capitão, já bastante irritado com as constantes perguntas do seu subordinado, respondeu em alto e bom som:

- Soldado, se afaste um pouco dos demais colegas, leve seu fuzil consigo e se vire do jeito que der...

O soldado olhou de soslaio para o capitão, de modo que ele não percebesse seu desapontamento e murmurou com seus botões:

- Eu hein... agora danou-se.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 16Exibido 48 vezesFale com o autor