Usina de Letras
Usina de Letras
94 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62141 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10337)

Erótico (13566)

Frases (50548)

Humor (20020)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4749)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->As Flores -- 09/06/2004 - 19:26 (Athos R. Miralha da Cunha) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos




As Flores



Athos Ronaldo Miralha da Cunha



Há um agradável perfume no ar. Um estranho cheiro de terra, de relva e de mar. São flores que desabrocham nos mais diversos lugares. São girassóis, margaridas e camomilas ao sol. São rosas nos pomares. São pétalas esparramadas aos cuidados dos nevoeiros das primeiras horas.



Há uma essência de flores na cidade. Múltiplos aromas que exalam cheiros de todas as idades. É um cheiro de crianças que imploram trocados nos cruzamentos. É um cheiro de mulheres que rogam por seus rebentos.

Nesses dias que antecedem o inverno, temos aromas de antigos amores nos catres vazios. Esses dias preenchem os sonhos com perfumes ausentes. E proliferam cheiros de jovens amantes. É alguma coisa delirante. Imprudente. É um cheiro de atrevimento e contestação.



A cidade está impregnada pela essência de trabalhadores que assentam ilusões. Que contam segredos e fogem dos medos quando o sol se põe. É um perfume de mulheres feridas em seus corações. De mulheres que enfrentam a vida batendo tábuas, varrendo o chão e catando gravetos. Há um aroma de sanga, de poeira e de crepitar de lenhas no fogão. É um cheiro dos errantes, dos que chegaram antes e dos que chegaram depois, esse cheiro é de nós dois.

É um cheiro novo, mas é conhecido, é a essência do povo.



E essas flores são imensas, densas e acabadas. São pétalas molhadas pelas chuvas do outono. São pétalas sem dono. Nesse jardim só há nomes de mulheres. São todas fêmeas, belas e apaixonadas. São descaradas. Anita, Isabel, Olga e Rosa. E tantas mais, mas todas mulheres, e, “das Flores”. E as flores desse quintal são imprescindíveis.



Mas há uma fragrância de democracia. Uma mescla de paixão e rebeldia. De socialismo e utopia. É um cheiro de ira contra as injustiças, que fala, grita e que faz. E que gira. É o cheiro das flores e também é “di Fiori”. Essas flores têm perfume de gente. “Gecira das Flores” é um nome, simplesmente, que encerra esse quintal.





Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui