Usina de Letras
Usina de Letras
74 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62140 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10334)

Erótico (13566)

Frases (50548)

Humor (20019)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4749)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->A Mancha Verde humanista -- 06/06/2004 - 13:57 (Athos R. Miralha da Cunha) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O texto abaixo é uma homenagem ao Kalú, um amigo que é candidato a vereador pelo PT de Santa Maria. É uma das candidaturas mais populares e tem o apoio dos catadores de lixo da cidade.

A quem interessar possa: eu também apóio Kalú para vereador.








A Mancha Verde

Athos Ronaldo Miralha da Cunha



Existe uma mancha verde em Santa Maria!

É grandiosa, nobre e provocadora. Invoca sentimentos solidários e emoções transformadoras. E é avassaladora porque nos completa e nos encanta com sua bondade e lucidez.



Não é uma macha verde que destrói, não reproduz a violência e não fomenta a algazarra. Essa mancha verde não dói e não manipula jovens e adolescentes. E não utiliza a força como instrumento de poder. Pelo contrário, essa mancha propõe a paz. Tem ojeriza à guerra. É humanitária e deseja viver a vida intensamente na plenitude que encerra. Essa mancha verde é simples, como são simples as vidas das pessoas simples de Santa Maria. Ela é eloqüente, mas no seu silêncio é envolvente e prazerosa.



Com essa mancha verde cataremos recursos nas vias públicas, cataremos sustento nas calçadas e reciclaremos nossas vidas, pois não somos matérias descartáveis. Essa mancha quer salvar a Terra e não erra quando recolhe cacos de saudades nos sublimes recantos dos sonhos. Nos carrinhos que calejam as mãos transportaremos o pão que saciará nossa fome. Nos caminhos que machucam nossos pés trilharemos como se fossem alamedas verdejantes orvalhadas pela manhã.



Enxergamos no verde a esperança. Exageramos na tonalidade porque essa mancha sendo forte iluminará as veredas alegres e rastos fartos de solidariedade. E veremos nessa mancha que se alastra em nossos corações e invade nossos peitos o desejo dos sonhos que moldam a utopia em realidade.



Essa mancha verde é como a primavera, é recheada de flores com perfume de gente. Está presente e sente o clamor novo desse povo que teima em ser feliz. Essa mancha representa a felicidade porque estamos felizes e a tristeza porque somos humanos e humanos ficam tristes. É um choro de uma criança em um humilde berço porque esse grito representa a vida pedindo para ser vivida. Ela é branca, parda, negra e mulata. Ela é um banho numa cascata numa tarde de verão. Essa mancha é coração!



Essa mancha verde complementa a lúdica brincadeira das crianças, a energia dos adolescentes, o carinho dos enamorados, a responsabilidade dos adultos e a sapiência dos anciãos. Ela está nas nossas mãos e é rude e requintada; é discreta e alvorotada e simboliza as atitudes honradas dos homens e das mulheres.

Essa mancha verde representa mais uma camiseta que colocamos para celebrar os desafios que a vida nos proporciona. É o sangue dos jovens que, por serem audaciosos, tombaram nos anos de chumbo. É a vitória dos companheiros que já não estão entre nós.

Enfim, essa mancha verde pode até ser escandalosa, mas é escandalosamente humanista e simplesmente Kalú.





Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui