Usina de Letras
Usina de Letras
19 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 61956 )

Cartas ( 21333)

Contos (13252)

Cordel (10444)

Cronicas (22529)

Discursos (3235)

Ensaios - (10258)

Erótico (13560)

Frases (50362)

Humor (19994)

Infantil (5388)

Infanto Juvenil (4724)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1375)

Poesias (140713)

Redação (3290)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1956)

Textos Religiosos/Sermões (6141)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->O Sertão -- 11/02/2002 - 16:12 (Alex Lucas) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos
O Sertão...sequidão

em meio a um mar

de luz onde a morte

não dá lugar à vida.

Um calor escaldante

que determina

a frieza do lugar.

As folhas dão lugar

aos espinhos

que retêm a umidade

— que é pouca —

em meio a fervura

da areia

quente e morta.



Lugar sofrido.;

sofrido e esquecido

pelos que vivem

e estão mortos,

pelos que muito possuem

mas pouco têm.



Por fora são enormes

e por dentro

insignificantes

como um grão de areia

no deserto.

Vivem em grandes centros,

onde a civilização impõe-se

à Natureza.

E esquecem um lugar

distante,

onde a Natureza impõe-se

ao homem como a verdade

impõe-se ao não lúcido.



No Sertão, a vida luta

para não continuar vivendo

morta,

pois como nos centros,

as pessoas morrem

a cada dia, mas neste último

se morre por incapacidade

e não por impossibilidade.



Um com chinelo, o outro descalço.;

um vivo morre, um morto tenta viver.;

um corre, o outro se arrasta.;

um pensa nas sobras

e o outro nem pensa.

Também pensar em que?





Poesia integrante do livro "A Hipocrisia da Matéria" de Alex Lucas.

http://alexlucas.tripod.com.br

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui