Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
237 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59136 )

Cartas ( 21236)

Contos (13103)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46519)

Humor (19281)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138237)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->CARTA À DONA QUININHA -02 -- 09/05/2020 - 18:11 (benedito morais de carvalho(benê)) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

São Paulo, 08 de maio de 2020

 

Mãe, boa tarde.

 

Mãe, estava indo tudo bem, até que chegou aqui um vírus importando da China, aí o bicho pegou. Me lembrei logo da senhora porque me bateu uma saudade danada daqueles surtos de gripe dos anos sessenta.

A senhora logo providenciava um cordão com as medidas de São Sebastião e amarrava no meu pescoço, o resfriado logo ia embora, a gente ficava curado, mas o cordão sebento ficava grudado por tempo indeterminado , afinal era promessa com o santo protetor de plantão para nos livrar da temida gripe.

Eu até gostava quando ficava prostrado naquela rede puída, porque não precisava ir à escola ou tomar banho, bastava um asseio superficial, lavando os pés, mãos e rosto, era o suficiente, com direito a bolachas Maria e um copo de guaraná a 40 graus, não havia geladeira em casa.

Eu só não gostava mesmo é quando a senhora pincelava com uma pena de galinha na minha garganta inflamada, usando a banha da dita cuja, e ainda,  tinha de encarar goela abaixo um tal de chá de flor de sabugueiro e chá de fedegoso para diminuir a febre, que nem mesmo a febre suportava os intragáveis líquidos.

Com a chegada do vírus Chinês, o famigerado Coronavirus (Covid-19) estou de sessentena desde o mês de março, completamente paranoico mãe, só saio de casa mascarado e correndo as léguas do povo, acordo com as mãos trêmulas, desconfio que estejam com a síndrome de abstinência alcoólica de tanto eu usar álcool em gel.

O mais cruel mãe, é quando surge nas coletivas de imprensa um Prefeito de nome Covas, de voz cavernosa e  aspecto cadavérico, falando em abrir mais covas, sem deixar de citar um Ministro de olhar sinistro, sósia do Mick Jagger, falando de epícentro, isolamento social, pico da curva, curva ascendente, aí eu me soco debaixo da cama todo mijado.

Ah! antes que eu me esqueça mãe, agora inventaram de implantar um tal de LOOKDOWN, quando eu souber o que diabo é isso, avisarei à senhora. Tomara que não seja supositório pra idoso. Deus me livre!!

Vou terminando por aqui, aguardando resposta sua.

A bênção do seu primogênito.

Benê.

 

Comentários

sergio portugal gomes  - 12/05/2020

BENÊ, continuas o mesmo. Abraços

Jonas Alberto Neves  - 09/05/2020

Verdades relatadas com pitadas de humor. Excelente texto. Parabéns!!

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do AutorSeguidores: 49Exibido 145 vezesFale com o autor