Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
219 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57903 )
Cartas ( 21198)
Contos (12740)
Cordel (10220)
Crônicas (22339)
Discursos (3145)
Ensaios - (9154)
Erótico (13440)
Frases (44814)
Humor (18790)
Infantil (4026)
Infanto Juvenil (2993)
Letras de Música (5486)
Peça de Teatro (1324)
Poesias (138553)
Redação (2964)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2413)
Textos Jurídicos (1931)
Textos Religiosos/Sermões (5101)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Adirson Vasconcelos (16/03/2020)* -- 16/03/2020 - 12:38 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Adirson Vasconcelos (16/03/2020)* 

Obrigado, amigo escritor e jornalista Adirson Vasconcelos, pela nobre correspondência (63 anos anos depois), que contém informações sobre:

1. Primeira Missa de Brasília (3 de maio de 1957).

2. Inauguração de Brasília (21 de abril de 1960).

3. Instalação da Arquidiocese de Brasília (21 de abril de 1960).

4. Inauguração do Correio Braziliense e da TV Brasília.

5. Histórico da visão profética do primeiro momento do local escolhido para ser a futura Capital do Brasil no Planalto Central de Goiás (idos de 1950, século XX).

6. Apresentação de 30 livros magníficos a respeito de Brasília, de sua autoria.

7. Carta do saudoso ex-presidente Juscelino Kubitscheck de Oliveira. 

8. Versos decassilábicos "As mãos de Adirson",  de Newton Rossi, transcritos a seguir:

As mãos de Adirson   

Há mãos que têm destinos diferentes:

Umas derramam sobre o chão sementes

Que trazem a alegria da fartura.

Insanas, outras mãos destroem terras,

Infundem desamor, provocam guerras,

Num mundo que foi feito de ternura.

 

As mãos de Adirson, que escreveram a História,

Marcaram, profundamente, na memória,

As pegadas de amor de um pioneiro,

Os gestos de bravura e de coragem

Que deram ao Brasil nova paisagem,

Dando Brasília ao povo brasileiro.

 

Eternizou, em páginas fecundas, 

Os sorrisos e as lágrimas oriundas

Da mente portentosa de quem cria,

Do esforço gigantesco empreendido,

Do gesto de coragem, decidido, 

Acordando o gigante que dormia.

 

Lembrando de Moisés o sofrimento,

Sessenta anos usou o pensamento

Para escrever a longa caminhada

Até Brasília, a Canaã perdida,

De Juscelino, a filha tão querida,

Do Adirson, sua eterna namorada.

 

Com a estima e o abraço do

                Benedito

       Pioneiro de Brasília 

* Brasília, DF, 16/03/2020.

 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 59 vezesFale com o autor