Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
114 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57377 )
Cartas ( 21181)
Contos (12602)
Cordel (10138)
Crônicas (22257)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44132)
Humor (18585)
Infantil (3846)
Infanto Juvenil (2802)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138545)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Roubalheira* -- 23/08/2016 - 11:33 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Roubalheira*


Amigo Homero, muito grato por tudo.

Com vagar e reflexão, li as informações. Na oportunidade, reafirmo o que sempre lhe disse em nossas conversas: o presidente da nossa empresa e sua direção deveriam ser funcionários de carreira escolhidos por votação democrática entre nós. Isso vale para o fundo de pensão Postalis.

Por que político alheio às nossas atividades operacionais e administrativas é superior a tantos empregados que há décadas empregam na empresa o melhor de si com vistas no melhor para todos?

Finalmente, o senado está engatinhando em olhar ─ com lentes menos fracas ─ as indicações políticas. Cria projeto de lei que avança na direção de afastar políticos e seus partidos da gestão de fundos de pensão.

Entendo que não devemos pagar economicamente prejuízo para o qual em nada contribuímos (a não ser com a omissão de não fiscalizar!)

Se a CPI tem limitações porque não pode fazer acordos de delação premiada, não tem prerrogativa para condenar e que apenas faz as investigações e encaminhamentos aos órgãos competentes, poderia encaminhar cópia desse relatório à Lava Jato.

O fato de ser lei (e isso você já me disse algumas vezes) é questionável, e não é por estar previsto no Estatuto do Postalis que vamos ter de pagar pelos desmandos de investidores ineficazes.

Mutatis mutandis, Veja o que diz autoridade no assunto:

"Deve o Direito ser interpretado inteligentemente, não de modo a que a ordem legal envolva um absurdo, prescreva inconveniência, vá ter a conclusões inconsistentes ou impossíveis."

(MELLO, Celso Antônio Bandeira de. Curso de Direito Administrativo. 5ª edição. São Paulo (SP): Editora Malheiros, 1990, p. 270).

O bom senso e a racionalidade devem impor-se à pratica abominável de gerir mal os recursos públicos. Assim creio e assim espero.


Com a estima e o abraço do
Benedito

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 192 vezesFale com o autor