Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
219 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58127 )
Cartas ( 21211)
Contos (12852)
Cordel (10239)
Crônicas (22077)
Discursos (3147)
Ensaios - (9225)
Erótico (13451)
Frases (45269)
Humor (18933)
Infantil (4151)
Infanto Juvenil (3229)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138693)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1057)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5246)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Cascatinha & Inhana* -- 17/07/2016 - 22:49 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Cascatinha & Inhana*


Obrigado, querida amiga. Como os anos se vão!... Lembro-me quando, ao entardecer, juntos e inocentes, cantávamos esta música (logicamente com os erros que cometíamos por não ter, na época, a linda canção escrita). Que Deus a proteja!

Beijos, Benedito


Meu primeiro amor


Quando ela partiu,
Só o rancho vazio
Ficou para mim.
Para o céu voou,
Comigo deixou
Solidão sem fim.


E a brisa a gemer
Parece trazer
Sua voz assim:
Consolar a dor;
Para o nosso amor,
Novamente eu vim!

Mas quanta ilusão!
Tudo é solidão,
Ela já morreu.
E a brisa sem dó
Apagou no pó
O rastinho seu.


Esperando em vão,
O meu coração
Quanto já sofreu!
Tudo teve fim,
Padecer assim
É destino meu.


Tudo se acabou,
Nada mais restou
Neste meu viver.
Ela lá no céu,
E eu, andando ao léu,
Sempre a padecer;


Espero, porém,
Que um dia no além
Tornarei a ver.
No céu, onde está,
Mas isto será:
Só quando eu morrer.


* Brasília, DF, 17/07/2016.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 217 vezesFale com o autor