Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
213 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58108 )
Cartas ( 21211)
Contos (12845)
Cordel (10239)
Crônicas (22073)
Discursos (3147)
Ensaios - (9222)
Erótico (13451)
Frases (45253)
Humor (18925)
Infantil (4144)
Infanto Juvenil (3225)
Letras de Música (5503)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138679)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5245)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Para inglês ver (Pedro R) -- 01/04/2016 - 10:41 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Para inglês ver (Pedro R)

Obrigado, Pedro. Respeitável seu ponto de vista. Esta, que lhe envio, é uma das histórias de “Para inglês ver”. Assim, a propaganda mentirosa e outros mecanismos de ilusão de ótica se aplicam ao caso.

Com a estima e o abraço do
Benedito

Para inglês ver (*)


Não uma verdadeira indicação mas uma hipótese, que não parece destituída de fundamento, é a que segue:


Quando, vigente ainda a escravidão no Brasil, conseguiu-nos impor a Inglaterra a proibição do tráfego negro, exerciam os ingleses, para fiel cumprimento dos seus dispositivos, rigorosa vigilância nos mares e embarcações nossas, mas, como sói acontecer em tais circunstâncias, muitos elementos encontravam no contrabando a melhor fonte de renda e, para completo êxito da empresa, usavam do seguinte artifício:


De regresso ao Brasil, traziam, juntamente com os escravos, um carregamento de produtos africanos. Quando, em alto-mar, surgia qualquer navio inglês, o contrabandista desfazia dos escravos. Uma vez dentro do navio brasileiro, verificavam os ingleses a normal finalidade da viagem, ou seja, o transporte de carga. Esta carga era "para inglês ver".


Se, o que muito acontecia, não fosse vista a embarcação durante a viagem, teria o contrabandista atingido o fim almejado, sem que se visse obrigado a desfazer-se da verdadeira e preciosa carga.



(*) ALMEIDA, Napoleão Mendes de. "Dicionário de Questões Vernáculas", São Paulo, Editora Caminho Suave, 1980, p. 224.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 151 vezesFale com o autor