Usina de Letras
Usina de Letras
92 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62141 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10447)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10337)

Erótico (13566)

Frases (50548)

Humor (20020)

Infantil (5415)

Infanto Juvenil (4749)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140778)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6172)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Artigos-->A boina basca e o lamento do violino -- 14/03/2004 - 17:12 (Athos R. Miralha da Cunha) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos




A boina basca e o lamento do violino

Athos Ronaldo Miralha da Cunha



A Espanha, dessa vez, foi o alvo de mais um covarde ataque terrorista. E a humanidade assiste, perplexa e consternada, as imagens do terror e desespero sobre os trilhos de Madri.



Diante das cenas de uma crueldade que ceifou a vida de centenas de pessoas, hoje somos todos espanhóis e madrilenhos em sentimento.



Não há necessidade de exprimir em palavras. Elas são insuficientes. O triste cenário basta para dimensionar o tamanho dessa insensatez e da estupidez dos grupos extremistas. Hoje, deveríamos escrever sobre o terror e atentados que sufocam nossos corações.



Entretanto, prefiro escrever sobre a paz, solidariedade e de multidões que, persistentemente, ainda acreditam em um mundo sem guerras. Em Madri, Barcelona, Santiago de Compostella e em várias cidades, da Espanha e do velho continente, houve manifestações populares pedindo paz e o fim das guerras. Essa espontaneidade também nos comove, pois a dor dá lugar a atitudes solidárias e humanitárias.



Por esses dias visitei um amigo descendente de bascos. E ele acalenta o sonho de um dia poder visitar sua pátria. A Pátria Basca. Esse amigo repudia qualquer ato de violência, pelo contrário, é um genuíno pacifista.

Entre um e outro chimarrão, mostrou-me a sua boina basca, uma das poucas lembranças de seu avô. Fez algumas observações sobre o ETA dizendo que o grupo surgiu em 1959 com o objetivo de criar um País Basco independente. A sigla significa Euzkadi Ta Askatasuna (Pátria Basca e Liberdade). E concluiu emotivo. - Não foi o ETA!

Calei-me diante de sua afirmação. Esses momentos, em que a humanidade sente dor, são reflexivos e não temos condições emocionais de racionalizar a tragédia. Embora distante, resta-nos um silêncio respeitoso às famílias enlutadas e uma evocativa oração em homenagem a memória das vítimas.



À noite, ao assistir o noticiário da TV Espanhola, mais uma vez vimos que as pessoas são solidárias e pacifistas. O noticiário espanhol mostrou grandiosas manifestações pela Europa e encerrou homenageando as vítimas do atentado.



A melodia triste de um violino foi o fundo musical para todos os nomes das pessoas que fizeram Madri chorar: Juan, Pablo, Maria, Paco, Angel, Vitoria, José e muitos outros.

Quando o violino encerrou seu lamento houve um minuto de contemplação, enquanto na tela preta surgiram alvas palavras: 38 sin identificación.









Visite a página de Athos Ronaldo Miralha da Cunha



Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui