Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
91 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57377 )
Cartas ( 21181)
Contos (12602)
Cordel (10138)
Crônicas (22257)
Discursos (3139)
Ensaios - (9064)
Erótico (13414)
Frases (44132)
Humor (18585)
Infantil (3846)
Infanto Juvenil (2802)
Letras de Música (5476)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138545)
Redação (2942)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2408)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4944)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Despedida (HJCC-R)* -- 04/09/2015 - 11:27 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Despedida (HJCC-R)*


Caríssimo Henrique: este foi um dos primeiros e-mails que li hoje, consternado e surpreso, fico meio tonto... Por tudo o que você fez na Empresa, há de haver recompensa. Quem agradece sou eu por ter tido colega tão nobre em momentos agradabilíssimos, inclusive quando estivemos na Comissão de Enquadramento de Documentos Básicos (1988) e quando chefiou o DEPAS em 1996. Outro dia, encaminhei ao amigo o artigo (arquivo anexo) que bem revela o seu comprometimento com a modernidade e o reconhecimento do Senhor Presidente da época Joel Marciano Rauber (depois ministro da Infraestrutra, hoje Comunicações) ao trabalho que você ajudou a construir e representar avanço tecnológico irreversível.

Lembro-me, com saudade, de quando o Henriquinho ligava para o papai e perguntava:

─ Meu pai está aí?

Eu dizia; é o Henriquinho? Ele não está, mas posso dizer-lhe que você ligou, tá bom?

─ Tá.

Num papel humilde e com muita consideração, eu avisava: “Grande Henrique, o grande Henriquinho ligou.” Lógico, como homem educado que sempre foi, agradecia e retornava ao filhinho querido.

Hoje, ele está adulto e talvez não se lembra disso; entretanto, o amigo de algumas décadas não se esquece de passagem tão grata e sincera.

Sem dúvida, são muitos os instantes de lembrança. Trabalhar com você, amigo Henrique, não foi apenas alegria e reconforto; porém, aprendizado constante para aplicação no serviço e na vida.

Gostaria de convidá-lo para um almoço. Podemos ir ao Iate, se for do seu desejo. E conversaremos mais um pouco. Peço que convide também o amigo Meri, que é da nossa época e colega estimado.

Vou ficando por aqui com tristeza e cônscio de que continuará feliz; contudo, permaneço com a ideia de que daqui a pouco pode ser eu, nem sei como vou fazer, prefiro não pensar para não sofrer por antecipação.


Com a estima e o abraço do
Benedito


* Resposta à despedida de Henrique Jorge Coelho Carvalho.




Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 128 vezesFale com o autor