Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
236 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58115 )
Cartas ( 21211)
Contos (12846)
Cordel (10239)
Crônicas (22074)
Discursos (3147)
Ensaios - (9222)
Erótico (13451)
Frases (45256)
Humor (18930)
Infantil (4146)
Infanto Juvenil (3226)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138690)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1057)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5245)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Juliana (despedida) R* -- 23/06/2015 - 08:25 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Juliana (despedida)R*


Que novidade, Juliana! Com certeza, o Departamento sentirá sua falta. Que Deus a abençoe e ilumine os seus caminhos. Votos de vida longa, saudável e feliz junto do esposo querido, a quem desejo toda a sorte do mundo!


Parabéns aos seus pais, que souberam criá-la e indicar-lhe o caminho certo. Parabéns, principalmente, a você que teve inteligência para entendê-los: não haverá ensinamento certo se o filho não o quiser!


Se alguma coisa não foi do seu agrado, desculpe; nada de intencional. Agradecimentos por ter enriquecido, mais ainda, este trabalho com sua figura exemplar.


O poema que transcrevo a seguir não é de minha autoria (creio que não tenha condições de fazer algo tão bonito e sublime). É de Marcelo Gama, poeta gaúcho (1878--1915) ** e retrata o sentimento paterno:


Soneto de um pai


"Vê-la crescer, florir -- viço e perfume;
Já sorri; quer falar; tartamudeia;
Diz: "Mamãe" e papai"; sufoca o ciúme.
Os dentinhos lhe vêm. Anda. Chilreia.


Traz a casa de risos sempre cheia.
Vai ao colégio, mas com azedume.
Aborrece as bonecas. Cresce alheia
À formosura e à graça que resume.


De moça tem cismas e alvoroços.
Põe vestidos compridos; fala pouco,
Suspira, sonha, anseia e pensa em moços.


Vê-la como fulgura numa sala...
Envaidecer-me e... chorar como um louco
Quando o noivo vier arrebatá-la!"

_________
(*) Por ocasião de e-mail de despedida de Juliana Gomes da Costa, em 25/03/2014.

(**) MACHADO, Marcelo Gama Possidônio, "Soneto de um pai", "Antologia de Poetas Brasileiros", 7ª ed., São Paulo (SP), Editora Logos, 1966, p.163.


É provável que em algum outro momento hei de revê-la. Ficarei muito contente em saber que está feliz! Por tudo, muito obrigado. Que Deus a acompanhe!


Com a estima e o abraço do
Benedito


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 127 vezesFale com o autor