Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
187 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58108 )
Cartas ( 21211)
Contos (12845)
Cordel (10239)
Crônicas (22073)
Discursos (3147)
Ensaios - (9222)
Erótico (13451)
Frases (45253)
Humor (18925)
Infantil (4144)
Infanto Juvenil (3225)
Letras de Música (5504)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138682)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5245)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Geraldo Peres Generoso (C4)* -- 11/12/2014 - 15:42 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Geraldo Peres Generoso (C4)*


Caro Poeta Benedito:


Pelo histórico de família, pelo meu lado paterno, temos raízes mineiras. O avô de meu pai, bem como meu avô, são oriundos da cidade mineira de Itajubá. O patriarca se chamava JOSÉ GENEROSO DA COSTA, que é o mesmo nome (real) de meu pai.


Nesta oportunidade, celebrando nosso congraçamento, para mim gratificante em contar com sua amizade, envio-lhe um outro poema.


Esta poesia foi classificada em Iº lugar num concurso da EDITORA TABA CULTULRAL - RJ- em 2001, na Coletânea "LETRAS DO NOVO MILÊNIO". Faço esta menção não para engrandecimento pessoal, mas já que foi bem recebida. Digamos assim, testada, pelo menos me dá a impressão de estar enviando ao meu bom amigo algo que passou pelo crivo de pessoas que entendem mais de poesia do que eu.


Um grande abraço e votos de Paz Profunda.


Geraldo Generoso



DUAS CASAS



Uma casinha no baixio da serra,
Cheia de frestas pelos vãos da porta,
Me vem à mente que da infância encerra
Uma saudade que o meu peito corta.


Dissera minha mãe: - por esta fresta,
Que nos trazia, do luar, o brilho,
Trouxe-te o céu como uma réstia,
E foi assim que te chamei "meu filho".


Deixei atrás a choupana esquecida
Em passo lento tomei outra estrada,
Pois queria outra casa e outra vida
Melhor que aquela que não tinha nada,
Com aquela porta tão desguarnecida.
Lá na grota esquecida e abandonada.


Foram duros caminhos, tantas quedas,
Antes, pois, que do chão se levantasse
A casa enorme em pedras sobre pedras
Fazendo inveja a quem aqui passasse.


Entendo o que vai nesse passante,
diante desta casa que o fascina,
também uma casa assim eu já quis antes
moderna, majestosa e grã-fina;


Além dos desembolsos na mantença
Deste casarão capitolino,
Eu pago caro esta saudade imensa
Daquela minha casa pobre de menino.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 86 vezesFale com o autor