Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
217 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59012 )

Cartas ( 21232)

Contos (13075)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9397)

Erótico (13483)

Frases (46345)

Humor (19241)

Infantil (4416)

Infanto Juvenil (3659)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138112)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1940)

Textos Religiosos/Sermões (5486)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->UM MINEIRO EM NOVA YORK -- 18/01/2013 - 16:27 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
UM MINEIRO EM NOVA YORK

Dizem que certo ou errado
Só acontece com mineiro:
Lá pras bandas de Uberaba,
Na verdade um fazendeiro
Ficou por demais ufano,
Ao saber no fim do ano
Que gastou bem o dinheiro.

Viu sua filha se formando
Em Letras na Faculdade,
Já noiva dum engenheiro
Que a amava de verdade,
Moço de Belo Horizonte
Tinha títulos de monte,
Doutor, uma sumidade.

Secretário do Prefeito
E professor de Inglês,
Assim seu futuro genro
Mostrava que tinha vez
No achego à família rica
De um mineiro tiririca,
Curtindo a sua viuvez.

O mineiro à sua esposa
Foi bom marido e fiel,
Pai de uma única filha
Porque o destino cruel
Deixou-lhe pesada cruz:
Sua mulher, ao dar à luz,
Dormiu e acordou no céu.

Mineiro não mais casou
Honrando a paixão eterna,
De sorte que a mãe dele,
Da menina a vó paterna,
Foi quem de fato a criou
Até que ela se formou
Nessa ilustrada luzerna.

Foi pomposo o casamento
Da filha do fazendeiro,
Com direito a discurso
E quadrilha no terreiro,
Teve até baile na tulha,
Ao longe se ouvia a bulha
De sanfonista e violeiro.

Sendo a noiva muito rica
E o noivo grande burguês,
A Lua de mel deveria
Ser recheada de Inglês:
Voando daqui do Brasil,
Cruzou o lindo céu de anil
Um avião com altivez.

Os noivos e o fazendeiro,
Que ambos quiseram levar,
Voaram em longa viagem
Num gol plano em pleno ar,
Tempo curto para os dois,
Pra o mineiro só depois
De um tempão foi chegar.

Mal desceram do avião,
Já ainda no aeroporto,
O pai da noiva estava
Andando até meio torto:
- Para onde é que eu rumo,
Preciso picar meu fumo,
Se num pitá já tou morto!

O pacote era completo
Almoço, jantar e tudo,
Cidade de Nova York,
Lá o mineiro botinudo
Hospedou-se numa suíte
Pra saciar seu apetite,
Numa cama de aveludo.

Desapareceu-se o casal,
Naquele luxuoso hotel,
Pra no enlace confirmar
Um ao outro o amor fiel,
Num amplo quarto sozinho,
Deixou a moça o paizinho,
Foi para a Lua de Mel.

Deixemos aqui o casal
Em deleites numa cama,
Para ver o pai da noiva,
Caboclo de terra e grama,
Em Nova York distante
Com a bela acompanhante,
Que lhe deram como dama.

Mineiro já mal sabia
Que por muito que demore,
O que é bom acontece,
Bem antes que o ovo gore;
Durante aquela trepada,
Gritava a loira arrepiada:
Once more, once more!

Em jejum há muito tempo,
Mineiro num vem e vai:
Once more, once more!*
Gritava a loira num ai,
Foi quando ele respondeu,
Depois que se arrefeceu:
- Eu moro em Beraba, Uai!

*Once more, once more!
Mais uma vez, mais uma vez!

BENEDITO GENEROSO DA COSTA
DIREITOS AUTORAIS REGISTRADOS RESERVADOS
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 101Exibido 341 vezesFale com o autor