Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
217 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59012 )

Cartas ( 21232)

Contos (13075)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9397)

Erótico (13483)

Frases (46345)

Humor (19241)

Infantil (4416)

Infanto Juvenil (3659)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138112)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1940)

Textos Religiosos/Sermões (5486)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Artigos-->CÃES, PORCOS, SAPOS E O BICHO HOMEM -- 10/02/2004 - 15:26 (Benedito Generoso da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
. CÃES, PORCOS, SAPOS E O BICHO HOMEM



Não deis aos cães coisas sagradas, nem lanceis pérolas aos porcos, para não acontecer que após pisá-las, voltem-se contra vós. (Palavras de Jesus em Mat. 7,6)



Somos tentados constantemente a dar conselhos e expor aos outros alguma opinião ou ponto de vista que temos como de grande utilidade, porém não raro vimo-nos frustrados ao não sermos ouvidos, quando não até criticados ou ironizados, justamente por aqueles a quem queríamos ajudar.



Se não comportarmos como muitos de nossos interlocutores, talvez não mereçamos ser chamados de cães ou porcos, mas certamente é preciso ser mais que humanos para nos calarmos e, em silêncio, deixarmos cada um com sua verdade.



Assim sendo, não gastemos mais salivas, esqueçamos cães e porcos e passemos a ouvir o que os anfíbios têm a nos dizer, nas palavras de HUBERTO ROHDEN, escritor brasileiro já falecido, em texto extraído de seu Livro intitulado De Alma para Alma.



DOIS SAPOS



"Vivia um sapo – no fundo dum poço.

Lá nascera, lá vivera, de lá nunca saíra – e lá esperava morrer.

O seu horizonte era de um metro e meio de largura – o diâmetro do poço.

A profundidade de sua vida era de três palmos – como as águas do poço.

Para além da borda do poço – nada mais existia para ele...

Certo dia, tombou no fundo do poço – um sapo de outras regiões...

Vinha de longe, de muito longe – das praias do mar...

Com secreto rancor, viu o primeiro invadido pelo segundo o seu espaço vital.

Mas como o segundo era mais forte, resolveu o primeiro não o guerrear – e limitar-se à defesa passiva.

Depois de três dias de silêncio recíproco, travou-se entre os dois batráquios o diálogo seguinte:

- Donde vens tu, estranho invasor?

- Das praias do mar, ignoto ermitão.

- Que coisa é o mar?

- O mar?... O mar é uma grande planície d’água.

- Tão grande como esta pedra em que pousam minhas pernas gentis?

- Muito maior.

- Tão grande como esta água que reflete o meu corpo esbelto?

- Maior, muitíssimo maior.

- Tão grande como este poço, minha casa?

- Mil vezes maior. Milhares de poços destes caberiam no mar que eu vi. O mar é tão grande que sempre começa lá onde acaba. É tão grande que todo o céu cabe nele, e ainda sobra mar. Todos os sapos do mundo, pulando a vida inteira, não chegariam ao outro lado – tão grande é o mar à cuja margem nasci e vivi.

- Safa-te daqui, mentiroso! – exclamou o batráquio do poço. – Coisa maior que este poço não pode haver! Mais água que esta água é mentira!...



* * *

Desde então viviam os dois em pé de guerra, no fundo do poço.

Não diz a história se algum deles, super-sapo, venceu nessa luta feroz...

Nem diz se um deles, batráquio genial, convenceu o outro da verdade das suas idéias...

Consta apenas que, desde esse tempo, vivem no mundo seres que só crêem em si mesmos...

Seres que sabem tudo o que os outros ignoram...

Seres que tacham de loucos os que afirmam o que eles não compreendem...

Seres de tão vasto saber que consideram desdouro aprender...



Não fales, meu amigo (minha amiga) em mares – a quem mares não viu!

Deixa viver no poço – quem no poço nasceu!

Horizonte de metro e meio, água de três palmos de fundo, pedra de meio palmo – que mais quer o batráquio dum poço?

Deixa ao ignorante a sua feliz ignorância!

Não fales em mares a quem para um poço nasceu!

Cada qual com seu igual..."



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 101Exibido 2810 vezesFale com o autor