Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
213 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59033 )

Cartas ( 21233)

Contos (13075)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9400)

Erótico (13482)

Frases (46376)

Humor (19246)

Infantil (4422)

Infanto Juvenil (3669)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138127)

Redação (3048)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1943)

Textos Religiosos/Sermões (5490)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->IRÁ PASSAR... -- 08/12/2020 - 09:17 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.
IRÁ PASSAR...
 
A atual composição de partidos políticos existente nos meandros da política partidária brasileira é uma colcha de retalhos, bem miúdos. Os partidos políticos interessados na assunção do poder, que não são poucos, certamente não abrirão mão de uma eventual chance de assumir seu lugar ao sol, lá no Planalto Central, em um futuro bem próximo.

O atual presidente (sem partido) tem duas opções para continuar em evidência: ou ele acelera a criação do seu tão sonhado partido, que o tem denominado de o Aliança pelo Brasil, ou se encosta naquele partido e/ou grupo de partidos que lhe derem melhor guarida.

Particularmente, entendo que, sozinho, com méritos próprios, e sem um eventual partido para chamá-lo de seu, ele terá muita dificuldade para atingir seu objetivo maior que é continuar por mais uma gestão no poder. Não que ele seja um político impopular na sua plenitude, mas por ser tosco e falastrão, por excelência, e por se encontrar meio perdido nessa seara eminentemente minada, chamada de política partidária.

Por ser essa pessoa excêntrica e meio cabeça-dura quando se vê à frente das adversidades inerentes ao seu cargo, acredito que ele insistirá em brigar por uma eventual reeleição, evidentemente, uma vez que isso fará muito bem ao seu ego, mas não creio que ele o conseguirá com facilidade.

É fato público e notório que sua popularidade tem oscilado muito nos últimos meses, mas talvez nem ele, nem seus colaboradores tenham percebido que essa sua forma, por vezes, sarcástica de encarar “problemas diários” de sua gestão, não seja a maneira mais viável para se governar um país, que se acha dividido em várias partes antagônicas, como se tem visto desde sua assunção ao poder.

Espera-se, contudo, que algum dia ele consiga descer desse palanque que o levou ao poder, sem ao menos ter conseguido fazer um discurso conciliatório, nem antes, nem durante e nem pós campanha eleitoral. Quiçá, ele consiga formar uma grande aliança que, decerto, não será aquela que ele almeja implantar com o Aliança pelo Brasil, partido que ele insiste dizer ainda será criado, antes das eleições de 2022.

O sistema político e partidário brasileiro, calcado no parlamentarismo de coalizão, não mais permitirá que governantes mentores de ideias autoritárias, alimentadas por atitudes/ações que visem à disseminação de discórdias e/ou de desamizades entre as pessoas, fique por muito tempo à frente do poder.

Torço para que ele termine esse mandato que, brilhantemente, conseguiu conquistá-lo com a participação maciça do voto popular, todavia, entre ele pensar numa reeleição direta, sem se dar conta da existência dos inúmeros empecilhos que advirão das partes "contrárias" que também ambicionam a assunção do poder presidencial, há um grande abismo a ser transposto.

Num primeiro momento, parece-nos que ele tenciona subestimar a capacidade pensante, assim como a maravilhosa lucidez do eleitorado nacional que sempre consegue mudar quaisquer cenários adversos, quando o momento assim o requer.


Queiramos ou não aceitá-la como real, há uma nuvem meio tenebrosa de desesperança, oscilando em meio à maioria dos brasileiros, ávida que se encontra em busca de uma resolução alvissareira, em razão da eclosão desse momento desesperador, causado pela chegada e instauração momentânea dessa pandemia.

Indubitavelmente, esse estado de desassossego provocado por essa epidemia tem afetado sobremaneira nossa saúde e nossa economia como um todo, mas, creio que essa fase mais crítica  logo passará e, com certeza, outras fases mais promissoras, hão de vir e, por certo, se fixarão de algum modo, para a efetiva manutenção do bem-estar de todos e pela felicidade geral da nossa nação.
Comentários

Giovana   - 09/12/2020

Concordo com o texto, 2022 uma incógnita!

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 17Exibido 157 vezesFale com o autor