Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
40 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59013 )

Cartas ( 21233)

Contos (13072)

Cordel (10287)

Crônicas (22188)

Discursos (3163)

Ensaios - (9398)

Erótico (13482)

Frases (46351)

Humor (19239)

Infantil (4419)

Infanto Juvenil (3662)

Letras de Música (5476)

Peça de Teatro (1335)

Poesias (138121)

Redação (3046)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2425)

Textos Jurídicos (1943)

Textos Religiosos/Sermões (5487)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->CHÁ DAS 17:30h -- 30/09/2020 - 20:46 (Adalberto Antonio de Lima) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Next stop Carioca station,
 landing on the right side.
 
 
 
Mal para na Estação Carioca, o trem sai outra vez   correndo ligeiro  e desaparece na curva do trilho.  Todo dia, toda noite faz o mesmo circuito.
Ravenala tenta desembarcar, mas  não consegue abrir caminho entre os passageiros. Fica presa antes do vão da porta. Passa do ponto de descer.
Na estação seguinte, arrastou a bolsa de uma senhora que se pôs a gritar: Larga... larga...larga minha bolsa…
 A alça se rompe. A bolsa fica.
A passageira desconhecida, sai. A dona da bolsa esbraveja, xinga, e na próxima estação também se vai.
Antes de desembarcar, Ravenala olha  para trás.
Aquele homem do primeiro vagão, não usava terno. Não era, portanto,  o cavalheiro que a ajudara no dia do acidente na plataforma do trem. 
O passageiro desconhecido, desce sem  se despedir de ninguém. Não abraçou, não deu bom dia. Do mesmo modo, todos se vão.

Cada um que desce na estação é apenas um passageiro.
Cada rosto que passa, não deixa rastro da fisionomia. Ninguém conhece ninguém. Não sabe o nome que o outro  tem, nem onde mora.

Tanto o nobre, quanto o pobre, não  tem nome. É apenas passageiro do trem.
Transeuntes caminham apressados. Sozinha  na movimentada Barão de Rio Branco, ela vai pela calçada.
À altura do peito, uma rosa vermelha desabrochada, crava seu coração. Ninguém, investe nela um olhar, por mais desinteressado que seja. .
Segue.
Percorre o desconfortável caminho do anonimato e  entra em sua  loja de informática.
Tudo organizado. Funcionários a postos e sorridentes esperam o  freguês.
Ravenala  mistura–se no meio dos empregados. Não se sente  dona de nada, apenas administra aquilo que lhe fora confiado por empréstimo.
Agradece a  proteção divina, e ao mesmo tempo, questiona no silêncio de seu coração: “ O Senhor tem muitos filhos!  Por que não me emprestar um deles?

Prometo devolver multiplicado.”
A hora é chegada.
Não ainda o momento de encontrar seu par, mas de tomar o chá das dezessete e trinta.

 

Adalberto Lima

Trecho de "Estrela que o vento soprou."

Enviado por Adalberto Lima em 30/09/2020

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 44 vezesFale com o autor