Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
221 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58162 )
Cartas ( 21211)
Contos (12859)
Cordel (10239)
Crônicas (22095)
Discursos (3147)
Ensaios - (9230)
Erótico (13453)
Frases (45309)
Humor (18940)
Infantil (4163)
Infanto Juvenil (3236)
Letras de Música (5506)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138722)
Redação (2997)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2418)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5254)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Infantil-->História Para Tomás -- 13/09/2005 - 19:38 (Marilisa Loureiro Gomes) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos


Era uma vez
uma estrelinha chamada óvulo
perdida na imensidão azul do infinito.
Um dia,
um foguete chamado espermatozóide
encontrou-a e convidou-a para passear.
Ela aceitou
e lá se foram os dois
a voar, tão rápido,
que a estrelinha teve medo.
Abraçou-se forte ao foguete e, assim, abraçadinhos, seguiram o passeio.
Depois de certo tempo, caíram
num imenso cesto de algodão doce.
Famintos e cansados, empanturraram-se de algodão e dormiram.
Quando acordaram
perceberam que o cesto havia submergido no mar.
A água era quentinha
e eles assemelhavam-se a peixes, visto que, podiam nadar e brincar à vontade dentro d’água, sem se afogar.
Um dia, cansaram de brincar na água
e tiveram vontade de conhecer
outro lugar.
Como seria?
Então descobriram uma pequena porta e resolveram abri-la. Deixaram a água sair primeiro.
Depois, fazendo um grande esforço, espremendo-se, porque a porta era muito estreita, conseguiram passar.
Surpresa! Lá havia uma luz muito forte e fazia frio.
A estrelinha e o foguete tentaram abraçar-se e outra surpresa: eles haviam estado o tempo todo tão juntinhos, que agora eram um só, ou melhor, um recém nascido.
Aí, o bebê chorou alto e forte. Rapidamente sua mãe o abraçou com carinho e deu-lhe de mamar. O bebê ficou feliz e adormeceu.
Sentiu-se novamente num cesto de algodão doce!

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui