Usina de Letras
Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
155 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58838 )
Cartas ( 21227)
Contos (13023)
Cordel (10266)
Crônicas (22173)
Discursos (3163)
Ensaios - (9365)
Erótico (13473)
Frases (46077)
Humor (19152)
Infantil (4363)
Infanto Juvenil (3562)
Letras de Música (5469)
Peça de Teatro (1332)
Poesias (137980)
Redação (3039)
Roteiro de Filme ou Novela (1060)
Teses / Monologos (2425)
Textos Jurídicos (1940)
Textos Religiosos/Sermões (5434)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Sono profundo -- 09/06/2020 - 08:05 (AROLDO A MEDEIROS) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Sono profundo

 

        Ele e a esposa foram convidados pelos vizinhos para o casamento do filho. Como a amizade perdura há mais de quarenta anos, não titubearam, disseram um sim como se eles é que fossem se amarrar, novamente.

        No dia anterior ao evento, após o almoço, arrumaram-se e partiram rumo a Joinville. O casório seria em Curitiba, mas eles dormiriam uma noite na Manchester catarinense, na casa de um filho, o Rodrigo. Aproveitariam para visitar a nora e matar as saudades da neta.

        Pela manhã, tomaram um generoso café e partiram para a festa. Antes passariam na casa de outro filho, José, que levaria a mãe até o salão de beleza que pertencia ao seu sogro, Seu Victor, onde o mesmo faria o corte que melhor se adequaria a seu rosto.

        Ele ficou proseando com José, matando as saudades e o tempo até a hora do almoço. Encontraram as mulheres no restaurante, onde fizeram refeição sem exageros, pois esperavam tirar a barriga da miséria na festa.

        À tarde, José os levou ao casamento, para que o pai pudesse beber à vontade e não se preocupasse com eventual fiscalização da polícia. Sentaram-se numa mesa em que estavam os vizinhos, a filha destes e o marido e mais um casal amigo de longa data, que também residia próximo a eles. Música, bebida e comida excelentes.

        Terminada a festa, telefonou para José vir buscá-los. Dormiriam no apartamento do sogro de José, o dono do salão de beleza, porque Rodrigo viria de Joinville para usufruir um dia na companhia dos pais e do irmão.

        Ao chegarem no apartamento do cabeleireiro, estacionaram o carro na garagem, mas não tinham a chave da porta. Tocaram a campainha e nada do senhor atender.   

        Ligaram para o celular, escutavam o barulho chamando até acabar o som. Resolveram ligar para o telefone fixo. Também nada. Parecia que o homem havia morrido. A filha, desesperada, soltando as primeiras lágrimas, disse que, lá da entrada do edifício, havia notado a cabeça do pai encostada na parede, justo no lugar onde ele costuma se recostar para fumar.

        Foram para a frente do prédio e lá estava a cabeça, ou melhor o homem. Ligaram para o Corpo de Bombeiros, uma vez que seria possível entrar pela janela com ajuda de escada extensível. Os “prestativos” bombeiros se negaram a vir, instruindo-os a chamar o SAMU. Ligaram. E também para um chaveiro. O SAMU prometeu vir, mas apenas o chaveiro apareceu.

Solucionada uma das questões: abrir a porta. Ele e José ficaram na rua, telefonando para dispensar os préstimos do SAMU. A esposa, fã incondicional das séries televisivas, com filmes de recheados de crimes, tais como Criminal Minds, Law and Order e NCIS, não perdeu tempo. Foi só o profissional abrir a porta e ela se precipitou em desabalada carreira, no afã de encontrar o cadáver do cabeleireiro.

O apartamento, enorme, parecia mais um labirinto para ela, que não o conhecia. Até que o encontrou sentado, imóvel. Colocou dois dedos na veia que passa pelo pescoço e sentiu o movimento de sangue circulando. Que alívio. Chamou-o sem muito alarido para não assustá-lo. Fez sinal de positivo ao filho e ao marido, que ainda se encontravam na rua. O cabeleireiro provavelmente havia ingerido remédio misturado com alguma dose de conhaque, sua bebida preferida. Depois, o homem passou a noite toda se desculpando: prometo que nunca mais vai acontecer isso.

        Uma coisa é certa. Esse acontecimento serviu para melhorar a amizade, que já era boa, entre o cabeleireiro, a filha e o genro. Porque em consequência do susto o casal decidiu se mudar do apartamento onde moravam, colocaram-no para alugar, e foram residir com o homem do “sono profundo”.

 

Aroldo Arão de Medeiros

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 11Exibido 61 vezesFale com o autor