Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
25 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57771 )
Cartas ( 21192)
Contos (12691)
Cordel (10207)
Crônicas (22323)
Discursos (3143)
Ensaios - (9126)
Erótico (13427)
Frases (44584)
Humor (18708)
Infantil (3975)
Infanto Juvenil (2915)
Letras de Música (5481)
Peça de Teatro (1321)
Poesias (138419)
Redação (2956)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2413)
Textos Jurídicos (1930)
Textos Religiosos/Sermões (5043)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Valor do velar -- 21/04/2020 - 23:16 (Brazílio) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Valor do velar


Com seus vinte e poucos mil habitantes na sede municipal - a que se somam mais outros poucos mil nos povoados - Pitangui mantém uma tradição quase secular: os anúncios fúnebres são invariavelmente feitos no alto falante da torre da matriz de Nossa Senhora do Pilar - ora, excepcionalmente suspensos em razão da pandemia do corona vírus - precedidos pela execução instrumental completa da música Il Silenzio. É tocante, sempre. E os ouvidos se aguçam nas janelas, nos quintais, nas varandas e nas ruas e praças para se identificar o de cujus.

Para variar, uma buzinada, ou o ruído ensurdecedor de uma motocicleta corta a sequência na hora mais solene. Mas há sempre uma repetição do anúncio e algum vizinho ou parente de ouvido mais acurado pode ser acionado com sucesso. Demais, não é apenas o nome de pia do de cujos que é mencionado na chamada ao velório e consequente enterramento.
Apelido, filiação, e profissão são proclamados quase que infalivelmente.

Embora tendo vivido nesta Velha Serrana por um período relatiavemente curto de minha existência, sete anos e meio, até completar meu curso ginasial, mantive e venho mantendo contato e convívio frequente com parentes de uma forma particular, e, de forma geral,  com esta urbe e seu povo.

A ida as velórios é um corolário dessas ligações, sobretudo depois que o Velório Municipal foi erigido há umas poucas décadas, e facilitou as congregações, possibilitando, inclusive a realização simultânea, quando co-ocorre, dessa atividade de homenagem aos que partem e de condolências aos que ainda irão, como iremos todos...

Nas minhas idas, antes da definitiva, tenho sempre duas certeza: lá encontrarei o Zé Hélio e o Osvaldo, sempre atentos, obsequiosos, ciosos de seu dever cristão de confortar, e compungidos. Duas lições de que há compatibilidade entre o aqui e agora e o além, para quando chegar a hora.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 7 vezesFale com o autor