Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
211 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58113 )
Cartas ( 21211)
Contos (12845)
Cordel (10239)
Crônicas (22074)
Discursos (3147)
Ensaios - (9222)
Erótico (13451)
Frases (45254)
Humor (18928)
Infantil (4145)
Infanto Juvenil (3226)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138689)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1057)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5245)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->A MULHER E O SEU “DIA” A DIA  -- 04/03/2020 - 00:47 (Dalva da Trindade S. Oliveira (Dalva Trindade)) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

 A MULHER E O SEU “DIA” A DIA 

A Bíblia nos instrui, no Livro de Gênesis, que Deus fez a mulher de uma costela do homem. Não foi da cabeça, nem dos pés. Não para estar acima ou abaixo das qualidades e capacidade do homem. 

Isto denota que mulheres e homens têm os mesmos direitos e ambos são filhos do mesmo Pai Eterno. A discriminação entre os dois foi criada pelo ser humano e não pelo criador. 

Numa sociedade na qual os homens também são oprimidos, sobram-lhes poucos incentivos para a manutenção da autoestima. Ser o Senhor do lar, da mulher, dos filhos e do cachorro” parece ser algo difícil de abdicar, nesta circunstância.

Muitas vezes o homem busca o seu eixo perdido e o autorrespeito através do domínio e da importância que usufrui no âmbito do seu lar.

Apesar das muitas situações de desconforto na qual a mulher é colocada em um relacionamento, ela não quer e não intenciona ser “o homem da casa”. A mulher só almeja o mesmo respeito que dedica ao parceiro em um casamento.

Para quem tem consciência dessa importância é fácil entender que o matrimônio é uma vida compartilhada.

A partir de quando a mulher precisa agir como “mais forte” para defender os interesses da família, inúmeras vezes ela deixa de ser vista como a companheira e adquire a incômoda qualificação de alguém útil que se busca quando for necessário. Esvanece a figura da esposa, da amiga, a parceira, a mulher interessante, a mãe valorizada e só permanece “a socorrista”.

Irônico e inacreditável para a mulher que só deseja somar e não está a competir dentro de uma relação na qual investiu seus sentimentos, seus sonhos e seus esforços pessoais! Surgem, então, as inúmeras dissoluções matrimoniais, sem que se vislumbre resquício de saudade de bons momentos vividos... Só lembranças.

Conhece-se bem esta realidade sombria que as notícias corroboram. Seria ótimo poder nutrir esperança em mais reconhecimento da importância da mulher a partir do seu lar. Deste primeiro núcleo o exemplo poderia ser disseminado e, assim, surgiriam outros bons frutos. 
 
“Não há casamento que acabe impunemente, sem deixar sequelas.” Uma verdade para as mulheres, para homens e mulheres, ou só uma frase do dito popular?

     Dalva da Trindade S Oliveira 
            (Dalva Trindade)
               04.03.2020

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 3Exibido 23 vezesFale com o autor