Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
261 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57924 )
Cartas ( 21204)
Contos (12788)
Cordel (10233)
Crônicas (22049)
Discursos (3145)
Ensaios - (9188)
Erótico (13446)
Frases (45002)
Humor (18864)
Infantil (4083)
Infanto Juvenil (3105)
Letras de Música (5496)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138506)
Redação (2982)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2415)
Textos Jurídicos (1932)
Textos Religiosos/Sermões (5174)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Então, é Natal! -- 22/12/2019 - 08:02 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Então, é Natal!

Corpo e vinho na mesa de Luciânus do Cristiânus propagador na miséria do HGE - Hospital Geral do Estado de Alagoas. Sangue e Corpo sendo derramado nos esgotos da vida pública na mídia do bebê de Rosimary que desfila por cima das carcaças na saúde pública do estado de Alagoas. Rei não,  no aqui e acolá dos patos de uma mãe cega e estátua que não defende o filho mas é cantada na balança Themis no balança dor judiciário.
Louvor a um pai eterno, velho barbudo no céu dele, sofrendo dores bem aventuradas.
Um Jesus usado num Cristo propagado de um estado fabricador de Cruz para crucificar o José no HGE na fé a Deus dará...
É Natal penador, na lapinha existe um pinto colado numa tábua decorada com luzes sem cantar passarinho mas com piaus sofrendo dores horríveis para alegria dos homens! É Natal...
A família enfeitada na natureza morta pregada na parede numa foto fria de um amor estátua.
O teatro são risos mau humorados no gira dor das esferas rugindo na poeira do chão,arrastada pelos bois na carreta do tempo.
O papai Noel no shopping com o cinto de castidade. Ai meus olhos, é Natal!
É Natal! Pegue no meu cajado, natureza morta no alto brilho do verniz mogno no tombador das matas do silêncio passarinho.
Saco do Noel da mangação americanalhizada que frustra a margem do meu Pilar Apilador, terra do Humanista Artur Ramos e bode dera.
Saudades dos sítios sem cercas, à margem Manguaba na manga Rosa, onde viagem a Lua na poesia do meu ser lunático.  A mãe Lagoa no colchão terra forrada pelas baronesas na vegetação do meu cão vadio no menino Pilar. Assim foi meu jardim de infância. Da 
igreja Católica Apostólica Romana na minha tenda curumim, rendo homenagem às Marias na Trindade divina: Madalena, Bárbara e Joana D'Arc.
Essa trindade cantou,canta e cantará, revolucionando minha fé ao Deus dará...
“Engula o choro sem beijo.” Assim disseram meus pais, se faça de homem! 
Em comparações,  ouvi no meu ouvi dor a seguinte frase: “És um branco Sujo.”, então passei a defender gente do lixo gente. A ceia no que de chapéu, frio, eu olho com um olho na faca e o outro na ave.
É Natal! E hoje, é pato aqui no pato acolá....

Marcos Palmeira  

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui