Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
87 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57099 )
Cartas ( 21170)
Contos (12597)
Cordel (10092)
Crônicas (22211)
Discursos (3136)
Ensaios - (9014)
Erótico (13402)
Frases (43746)
Humor (18482)
Infantil (3789)
Infanto Juvenil (2713)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138308)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4888)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Escritura na Sagrada Poeira -- 30/11/2019 - 09:25 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Escritura na Sagrada Poeira


Escrevo numa enxurrada na poeira Apilada do meu apilador Pilar e sinto o diabo, com cultura favelada diante do convencionalismo que me dá muitas idéias. Sem o convercional, não terá o anti convencional, pois tudo é relativo e importante. Os lados exibem a beleza da dialética salutar das idéias líquidas. A igreja Católica com grandes artistas de outrora na Alvorada Gregoriana na qual, a poesia de Mattos  (o Gregório) declamava o tempo no templo de seus tribunais, revelam uma imagem na papada do além. A lenha verde chorava as assaduras de Joana D'Arc, diaba e Deusa, julgada num tribunal de exceção. Na Bahia de Todos os Santos, com seus casarões com essência de mijo de morcego, desperta  a poesia e acende a tocha com sua arquitetura Barroca do meu umbigo depositado na catedral de Olinda, no meu Pernambuco natal, mesmo com seus pecados. Ela é mãe de todas, admiro o Jesus histórico na grandeza mística do Ser Cristo. Todas as religiões são interessantes, e Cristo abraçou a todas. Esse é o espírito da grande Alma. Sou fã desse cara Jesus Cristo, esse é meu Templo. Um homem que acolheu a todos sem julgar a ninguém, pois como ele disse:"Quem não tiver pecado, que atire a primeira pedra." Sou fã e seguidor desse filósofo que foi crucificado por pregar justiça e igualdade, mas antes dizia: "Dai a César o que for de César..."esse chavão abre o leque da dialógica para a poesia. No assentir sem bater continências, e no sal das ideias, escreve o Amor a Deus na madeira de César. À Cesar o que é dele, e o adeus ao fanatismo  com suas fantasias religiosas. Toca o Tambor em Olinda que  anuncia o frevo no pé do meu Brasil gente.
Chupa que o pirulito é Americanalhizado no consumismo da quinta Avenida. As americanas (USA) o ciscador e atiçam os Humananimais na arena ciscada. Pegam e mordem a isca dos saldos para livrar o inventário do capitalismo fiscal, au au au...

Marcos Palmeira

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui