Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
81 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57086 )
Cartas ( 21170)
Contos (12604)
Cordel (10090)
Crônicas (22208)
Discursos (3136)
Ensaios - (9013)
Erótico (13401)
Frases (43722)
Humor (18474)
Infantil (3784)
Infanto Juvenil (2709)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1317)
Poesias (138292)
Redação (2926)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2401)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4882)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Tal tempo do templo tal -- 19/11/2019 - 09:09 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Tal tempo do templo tal

Medindo o tempo a cada toque dos ponteiros, se cruza num sol sem medir o tamanho. Se cruza numa dor ou alegria, se cruza num natal que pinta dor na agonia galinácea para alegria da fé humana. Cisca com dor para o teto, sem entender a bandeja dourada. Lá, o galo silencioso é traçado nos dentes de gente no cálice da boa morada. No si a si, riacham olhos por si. A bandeira, há de ficar se não for o da frente há de ser o de detrás. Canta um mundo menino sem entender a hora da Santa Ceia. A celebra ação na fé do " Tudo" que fora o " Nada" na comunhão do templo Sacerdócio apoiado por um  governo Pilatos num Apilador do Pilar Romano. A Manguaba, mãe natural, chora, pois colocam em teu leito os dejetos do homem que caga nos quatro cantos da lagoa, quebrando a aliança comum com Cristo. Pela terra de Santa Cruz, morreremos, comendo cuscuz e diremos amém  por um  prato e farinha na cuia carregada de um americanalhizado da revolução Lutero na papada do desejo do além de outrora. Verdades tantas... a cada desejo, uma verdade. Hino cantado a cada cabeça de fósforo, fogo na fé da terra prometida no shopping a Deus dará nas luzes e palcos azuis. Nesse torrão, quando não é Chico, será chicote na dualidade céu e inferno do pastouro de cada obreiro. Sabido e besta, sentados de olhos fechados no teatro, vendo um Jesus que USA no mito da ignorância de um Brasil de 500 ânus de espoliação.
Pois é... esses 500 anos comemorados no Bugre do milênio. Num interior das Azalagoas, uma escola na comemoração, fez uma apresentação para escolher entres tantos outros, o aluno mais bonito da Escola pública (rsrsrs), a sorte já estava pronta e quem ganhou foi o filho do Prefeito.
"Boca de forno!", gritam os mestres aulicos. Responde numa lapada só a rapaziada mirim: "Forno!".
 A mestra diz, o governa dor, mandou  dizer:" Que eram para todos ser cordeirinhos da fé pela fé".

Marcos Palmeira

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui