Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
62 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57505 )
Cartas ( 21184)
Contos (12608)
Cordel (10177)
Crônicas (22283)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13416)
Frases (44277)
Humor (18618)
Infantil (3903)
Infanto Juvenil (2848)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138233)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4981)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Não morra pela pátria! Viva pela pátria! -- 22/09/2019 - 15:43 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Não morra pela pátria. Viva pela pátria!

Ô tempo líquido em que estamos a viver! Sua identidade é construída e desconstruída de acordo com os ditames das ditas duras disfarçadas de “cidadão de bem”. Mas para isso, esse bem tão bem disfarçado de uma sisudez, leva a boiada ao curral para ser marcada. Cultura, saúde e educação vão ganhando uma roupagem adequada ao cidadão que deve morrer pela pátria a viver sem razão. Cinturão milico nas costas de uma pátria gente na dor Amazonia queimada. Não morra pela pátria, viva por ela! Marcha soldado cabeça de papelão enquanto houver madeira, não farás nenhum papelão! Não fugirás à luta e darás uma boiada para dela não sair.
Oliva no azeite, mas não numa cor encardida de uma emoção tola na marcha dos machucadores, exibindo o super machismo nas comemorações da pátria de um machucado povo.
Povo que briga entre si para morrer pela pátria sem sentir a beleza de, por ela, viver. 
Menina ou menino!? Muitos com seus desejos enrustidos,mostram o menino sem aceitar o interior que pousa de machão na menina abaixo da farda soldado no grito enrustido no cantar Ney : “Telma, eu não sou gay!” Nas calúnias da boca e dos olhos do observador, que prefere usar sua dor no que lhe convém. E assim, vamos todos brigar, matar e morrer pela pátria na dança do soldado de dor soldada e inerente àquele que profere calúnias espelhadas no canto de um povo que esqueceu de viver com a razão e orgulho de ser cidadão comum que dia a dia escreve sua história.

Marcos Palmeira
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui