Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
17 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57517 )
Cartas ( 21184)
Contos (12611)
Cordel (10179)
Crônicas (22288)
Discursos (3141)
Ensaios - (9089)
Erótico (13416)
Frases (44292)
Humor (18621)
Infantil (3907)
Infanto Juvenil (2852)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138244)
Redação (2947)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4986)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Eu -- 30/08/2019 - 20:12 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Eu

Quando me dei conta, perdi as contas das vezes que engoli a seco, o amargo da vida. Eu apenas precisei sair tangenciando e fora do alcance, me protegi. Não quis ver a derrocada da vida diversas vezes nocauteada. Caí, levantei e adormeci pois a dor me era insuportável. Acreditei no inacreditável e briguei com o caos que quiseram me impor. Me desfiz e refiz usuário da dor constante e inóspito o ambiente se fez à minha volta, nas voltas que o mundo deu. Segui e sigo em frente enfrentando mais a mim que aos outros. Busquei todas as armas numa armadura invisível e dolorosa. Me fiz saudoso, aos olhos daqueles que enxergaram em mim, o que não percebi. Entendi e me neguei ao entendimento no desentender dos fatos apresentados. Fugi de diversos holocaustos e cai na prisão de uma solidão com testemunhas de uma dor sem acolhimento. Fui expulso e reaprendi a sorrir embora a vida por diversas vezes me dissesse NÃO!

Marcos Palmeira
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui