Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
124 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57036 )
Cartas ( 21170)
Contos (12600)
Cordel (10077)
Crônicas (22200)
Discursos (3134)
Ensaios - (9000)
Erótico (13395)
Frases (43636)
Humor (18454)
Infantil (3772)
Infanto Juvenil (2687)
Letras de Música (5470)
Peça de Teatro (1316)
Poesias (138232)
Redação (2924)
Roteiro de Filme ou Novela (1055)
Teses / Monologos (2400)
Textos Jurídicos (1925)
Textos Religiosos/Sermões (4851)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Humor-->LAVANDO A ÉGUA -- 05/11/2010 - 21:33 (GERMANO CORREIA DA SILVA) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
LAVANDO A ÉGUA
(Por Germano Correia da Silva)


Numa dessas conversas ocorridas em roda de amigos, onde se diz tudo o que vem na telha e nem sempre se fala o que realmente acontece, Jô Formigão deixou a entender que está bem, financeiramente falando, levando as pessoas a acreditarem que agora ele está lavando a égua.

Seus colegas ali presentes, sobretudo os mais interesseiros, passaram a lhe bajular como nunca o fizeram antes. Alguns deles, os mais discretos, até insinuaram a possibilidade de ele lhes conseguir um empréstimo para ser pago em suaves prestações. Outros, os mal intencionados e afoitos, já pediram para que ele seja seu avalista em possíveis financiamentos de imóveis ou veículos do ano.

Para surpresa geral dos bisbilhoteiros da vida alheia, Jô Formigão continua tocando sua vida sem mudar muito o seu jeito de agir e permanece trabalhando no mesmo local de sempre; mudou apenas o seu visual no tocante à forma de vestir-se. Há rumores que fora ele o ganhador de um alto prêmio pago por uma casa lotérica local.

Entre uma suspeita e outra, algumas pessoas já estão vigiando de perto os passos dele. Inicialmente, passaram a fazer plantão na entrada e saída do banco local; mais tarde, na igreja matriz, nos momentos destinados ao ofertório.

As pessoas só ainda não tiveram a curiosidade de visitar seu local de trabalho. Se alguém aparecer por lá certamente irá vê-lo, bem vestido e feliz da vida, carregando um balde com água e xampu, a caminho de uma das inúmeras cocheiras ali existentes.

Fofocas à parte, Jô Formigão não conta a verdade dos fatos para ninguém, contudo demonstra ser um desses trabalhadores fiéis aos seus princípios e padrões morais.

Com bastante dinheiro ou sem nenhum dinheiro, isso não muda em nada o seu modo de vida. Continua lavando a égua, no sentido literário da palavra, no haras local, e os cavalos também...


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui