Usina de Letras
                                                                         
Usina de Letras
90 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 59136 )

Cartas ( 21236)

Contos (13103)

Cordel (10292)

Crônicas (22196)

Discursos (3164)

Ensaios - (9439)

Erótico (13481)

Frases (46519)

Humor (19281)

Infantil (4461)

Infanto Juvenil (3729)

Letras de Música (5479)

Peça de Teatro (1337)

Poesias (138237)

Redação (3054)

Roteiro de Filme ou Novela (1060)

Teses / Monologos (2427)

Textos Jurídicos (1945)

Textos Religiosos/Sermões (5525)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Que saudade! -- 11/09/2011 - 00:01 (Juliana Mendes Velludo Guidi) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
.

Dona Dulce, sou eu outra vez. Reli a primeira carta que te escrevi depois que se foi e não pude conter esse meu choro que insiste em te chorar. Sinto tanto não tê-la aqui... tanto... Esse choro descontrolado que choro agora é pela saudade de conversar com a senhora. Saudade de ouvi-la perguntando ao Carlo se ele queria o seu leitinho. Só o da senhora servia quando estávamos reunidos. Sinto saudade dos nossos passeios pela fazenda à procura de lindas flores para eu fotografar. As flores que tanto amou. Sabia que o Carlinhos escolheu uma das fotos que fiz para entregar como lembrança sua? Sinto saudade de quando a senhora nos dizia que não tinha feito nada de bom para o almoço quando na verdade tínhamos um banquete na mesa. E a senhora lá, perguntando por que eu não comia mais. "Está ruim? Sem sal?". Ai! Que saudade da sua elegância. Da sua beleza. Da sua educação. Que saudade de conversar com a senhora sobre as novelas! Nossa! Até hoje, quando me inflamo por causa de alguma cena, o João me diz: "menos, dona Dulce." Se eu te contar... a senhora perdeu o maior vilão de todos os tempos. Eu o adorava rsrs... seu nome era Léo. Mas essa novela a senhora não viu... e isso me rasga por dentro... Lembrei-me, conversando com umas amigas um dia desses, de quando o João chegava a sua casa dizendo que eu só fui com ele porque teríamos bacalhau para o almoço rsrs... e a senhora, assustada, dizia com os olhos arregalados: "mas eu não fiz bacalhau! E agora?"
Faz tempo que estou querendo falar. É que eu sempre sinto essa saudade que me corta. Sei que está conosco. Eu te sinto aqui no meu coração. E isso me acalma. Repito: nós te amamos, minha querida. E sei que voltarei a te escrever, porque, enquanto viva eu estiver, não vou deixar de te lembrar.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui