Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
23 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57550 )
Cartas ( 21185)
Contos (12638)
Cordel (10186)
Crônicas (22292)
Discursos (3141)
Ensaios - (9093)
Erótico (13416)
Frases (44327)
Humor (18630)
Infantil (3915)
Infanto Juvenil (2862)
Letras de Música (5480)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138276)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4994)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Identidades -- 17/04/2019 - 19:03 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Identidades

Estou farto de saber não ser Deus! Estou farto de saber que o meu presente, eu devo ao meu passado, como também estou farto das inúmeras identidades em ruínas. A individual me desqualifica o julgar em qualquer tempo, pois nada sei e nada sou. A cultural me dá uma ilusão de uma melhor qualificação por ser rica nos costumes e tradições. A essa, jamais posso negar, ainda que a sociedade me rejeite. Meus dejetos, os guardo em local devido para não ser precarizado ou excomungado na comunhão da Santa Ceia aberta a todos, hipoteticamente. Sim, hipoteticamente, pois a minha mente não mente. Agoniza. Sim, a cultural também agoniza em alguns lugares onde os deuses são deuses de si, lamentavelmente. Prefiro então, não ter identidade e assim, caminho leve e livre e ainda consigo sair no lucro que nenhuma identidade pode me oferecer. Sou o que dá pra ser nessa caminhada alinhada a um ninho do qual não faço parte, pois aço sou. Vou me adequando às identidades que podem ser e não as perco de vista, apenas as guardo e aguardo na transitoriedade do tempo, para então, melhor assimilá-las. Fito uma identidade no espelho que não me projeta a nenhum lugar, salvo o comum de identidades pontuais e dependendo da ocasião, faço uso de minha identidade corpórea sempre. É automático, com caixa de câmbio a depender do local. O passado revela a todos, o presente a alguns e o futuro, a ninguém. Sobram-me passado e presente, ainda que ausente de mim e dos outros, o que não me impede de ter minha própria identidade. 

Marcos Alexandre Martins Palmeira
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui