Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
106 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57505 )
Cartas ( 21184)
Contos (12608)
Cordel (10177)
Crônicas (22283)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13416)
Frases (44277)
Humor (18618)
Infantil (3903)
Infanto Juvenil (2849)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138234)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4981)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Bidião e a co ligação BBB -- 23/03/2019 - 09:09 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Bidião e a coligação BBB

Estava muito preocupado com as crescentes quedas de popularidade da religião Bidiônica e ao mesmo tempo insisti na continuidade da narração do Evangelho Bidiônico, apesar dos pesares! Me sentia um ouro de tolo como o meu amigo Raulzito certa vez escreveu. Religião não se faz apenas com uma ovelha desgarrada. Se faz com inúmeras desgarradas, perdidas pelo caminho, cambaleando de perna bamba e solta. Avistei ao longe, uma congregação de almas descaminhadas mas em número infinito e lá, percebi que havia um ora dor das orações próprias e alheias com testemunhos catastróficos e inimagináveis. Após a multidão, vinham os mais excluídos, tipo banda podre parque  contava com diversos grupos de milícias cuja doutrina era acabar com o pior que eles, que era uma minoria. Havia um cercado cheio de bois e vacas resultantes do popinoduto recebido ao longo de dezenas de décadas e que garantiam o pão das “ovelhas brancas”. Ditas ovelhas eram em número tão grande que me incentivou a aproximação cautelosa sobre a metodologia de agregação das ditas almas descaminhadas. Assisti à um discurso quase profano do ora dor que me questionou o enlutamento da minha vestimenta num calor tão grande como o do sertão. Respondi que tratava-se de uma cor que representa o bloqueio lascivo que faz da humanidade, um joguete ou mesmo um foguete. Ele não compreendeu e então me pus a dizer-lhe que se algo no humano dá errado, deve-se aos prazeres da carne contrapondo ao estado de contemplação espiritual. O ora dor achou interessante a  minha explanação sobre esse e outros princípios bidionicos. Me deu uma sugestão de fazer uma co ligação, pois ainda restavam os prazeres da carne a serem combatidos entre seus seguidores. Percebi, que mesmo com queda na proposta doutrinária Bidiônica, havia algo errado e mais grave que fez com que aquele ora dor estabelecesse interesse na religião Bidiônica. Avistei então, um senhor com uma calculadora a receber os bois, colocá-los no pasto e em seguida, contar os animais que estavam cercados por um grupo de homens com chapéu e armados.

O desconfiômetro Bidiônico acendeu o alarme que era pra ter sido utilizado numa barragem que despencou na cidade vizinha,   atolando diversas propriedades, matando homens e animais. Seria então o apocalipse do qual o ora dor havia falado?

Sem querer resposta imediata, me dirigi às pressas de volta ao meu isolamento Bidiônico do qual me sentia mais seguro, dando uma desculpa diarreica.

Ao chegar no Mosteiro, dei-me conta que antes só que mal acompanhado.

Pedro Bidião de Pilar 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui