Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
175 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58137 )
Cartas ( 21211)
Contos (12854)
Cordel (10239)
Crônicas (22081)
Discursos (3147)
Ensaios - (9225)
Erótico (13452)
Frases (45288)
Humor (18935)
Infantil (4155)
Infanto Juvenil (3232)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138698)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1058)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5249)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->Presidente/presidenta R (*) -- 05/05/2011 - 22:22 (Benedito Pereira da Costa) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Presidente/presidenta R (*)



Obrigado, amigo. Com todo o respeito, obtempero:



1. A língua não é algo estático nem pode (nem deve) ser capricho do entender de alguns.



2. No falar português, dir-se-ia controlo. Entretanto, consuetudinariamente, diz-se: controle. (O povo consagrou assim).



3. Etimologicamente, grafar-se-ia mozarela porque se origina do italiano mozzarèlla. Todavia, grafa-se: muçarela (com ç), por uso secular.



4. Se há: carteira (profissão), médica, engenheira, soldada, sargenta, coronela, generala e tantas outras palavras que se ajustam ao ser a que se referem, por que não aceitar presidenta?



4.1 Sem falar em: elefanta, giganta, governanta, infanta, parenta.



5. A Lei 2.749, de 02/04/1956 abona o termo presidenta.



FUNÇÕES PÚBLICAS - NOMES
www.soleis.adv.br



LEI Nº 2.749, DE 2 DE ABRIL DE 1956



Dá norma ao gênero dos nomes designativos das funções públicas

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA , faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art 1º Será invariavelmente observada a seguinte norma no emprego oficial de nome designativo de cargo público:

"O gênero gramatical desse nome, em seu natural acolhimento ao sexo do funcionário a quem se refira, tem que obedecer aos tradicionais preceitos pertinentes ao assunto e consagrados na lexeologia do idioma. Devem portanto, acompanhá-lo neste particular, se forem genericamente variáveis, assumindo, conforme o caso, eleição masculina ou feminina, quaisquer adjetivos ou expressões pronominais sintaticamente relacionadas com o dito nome".

Art 2º A regra acima exposta destina-se por natureza as repartições da União Federal, sendo extensiva às autarquias e a todo serviço cuja manutenção dependa, totalmente ou em parte, do Tesouro Nacional.

Art 3º Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

Rio de Janeiro, 2 de abril de 1956 ; 135º da Independência e 68º da República.

JUSCELINO KUBITSCHEK

Nereu Ramos


6. Sem entrar no mérito do aspecto legal, creio que, em futuro não muito distante, os mais jovens terão oportunidade de ler em dicionários: presidente/presidenta. Razão muito simples alicerça o fato: a língua é expressão viva do povo.


7. Insiro crônica em que falo, em parte, dessa ocorrência (está no meu livro Harmonia):


Entreter (*)


Leitora assídua, com elevado grau de modéstia, encaminhou-me carta cheia de delicadezas e conforto, em que se penitenciava por haver usado "enterter" por entreter.


Comovido pelo gesto louvável e enriquecedor, escrevi estas linhas:


Que isso, prezada leitora! Não se preocupe. A mim, o que me importa é o que você escreve (e são coisas que não têm preço) e não como as escreve.


Só percebi cochilo (se assim o posso chamar) porque você identificou. Interessa-me o conteúdo e não o rigor gramatical. Que diferença faz para mim "enterter" e entreter? Mantidas as devidas proporções da hipértese, que pode chamar também de metátese, Seria o caso de:


a) "semper" em vez de sempre ;

b) "desvariar" em vez de desvairar ;

c) "ressablo" em vez de ressalbo ;

d) "parabolam" em vez de palavra ;

e) "perciso" em vez de preciso.


Há alguns de domínio popular:


a) sobre é metátese de super ;

b) entre de inter.


Isso é figura de fonética histórica, que serve aos estudiosos apenas e aos pesquisadores do idioma.


Se perguntar ao Sílvio Santos o que é isso. Com certeza, ele dirá, mutatis mutandis: "Realmente, há tanto tempo, quando eu estudava no ginásio, um professor chatíssimo, de Latim e de Português, falou de coisas semelhantes."


Entretanto, esse fato não o impediu de ser a pessoa física que mais paga imposto de renda no Brasil (**). Além de tudo, é empresário iluminado, bem-sucedido e correto com seus colaboradores e com o País.


Por analogia, parece-me, que o Rei da Jovem Guarda, conhece o assunto. Pelo menos demonstra ter ciência dele. Em suas canções, usa linguagem que o povo fala.


Já imaginou o Roberto Carlos cantando: "Dar-te-ei o céu, meu bem, e o meu amor também!" ou "Vê-la-ei de branco" ou "Desperte-me com seu beijo de manhã" e por aí vai. Claro que português e regras gramaticais ele deve saber de sobra (e ainda que não soubesse, tem recursos econômicos suficientes para contratar os melhores revisores).


Entretanto, o Roberto canta com o coração, e quem o assim faz desfruta do sucesso que ele sempre teve, e terá.


Esqueça, missivista atenciosa. A mim, interessa é o sentimento. E isso você demonstra possuir.


Com satisfação pela sua leitura constante, Abraços, Benedito


_______
(*) Brasília, DF, 14/03/2009.
(**) Informado por Arlindo Silva na 4ª edição do livro "A Fantástica História de Silvio Santos", Editora do Brasil, 2000.

7. Entendo que há, mantidas as proporções cabíveis, certo interesse de contestar a presidenta Dilma. Por que não usar o conhecimento para apoiá-la?

8. Eu Poderia escrever um capítulo de livro sobre o assunto. Contudo, a raiz seria sempre igual ou pelo menos parecida.


Com a estima e o abraço do

Benedito



Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 24Exibido 368 vezesFale com o autor