Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
151 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 58124 )
Cartas ( 21211)
Contos (12849)
Cordel (10239)
Crônicas (22076)
Discursos (3148)
Ensaios - (9223)
Erótico (13451)
Frases (45264)
Humor (18933)
Infantil (4151)
Infanto Juvenil (3229)
Letras de Música (5505)
Peça de Teatro (1328)
Poesias (138691)
Redação (2995)
Roteiro de Filme ou Novela (1057)
Teses / Monologos (2417)
Textos Jurídicos (1934)
Textos Religiosos/Sermões (5246)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Cartas-->MAIS UMA HOMENAGEM AO DIAS DAS MÃES -- 01/05/2011 - 18:15 (Edmar Guedes Corrêa****) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Mãe,
Eu não encontro palavras para te agradecer por tudo aquilo que fizestes por mim em todos esses anos. Quando teu corpo começou a perder a sutileza dos traços, talvez deixando definitivamente para trás muito de tua formosura, ao invés de amaldiçoar aquele que te fazia disforme, passou a amá-lo na mesma proporção em que tomava forma dentro de ti e fazia-te mais pesada e tornando-te as mais simples tarefas cada vez mais dificultosa.
Quando aquele ser que tu já amavas mais do que tudo no mundo, embora ainda não o tivesse visto e nem ao menos sabia como chamá-lo, pois desconhecia-lhe o sexo, resolveu vir ao mundo e finalmente estar em teus braços, provocou-te dores terríveis, as quais provavelmente fez-te pensar que morrerias. E quando em teus braços, eis que resolve flagelar-te e deformar-te os peitos com sua fome insaciável. Mas as dores do parto e em teus seios rachados só te causaram prazer por ter em teus braços aquele ser tão frágil e indefeso.
O teu corpo deformado nunca mais voltou a ter a beleza dantes. Mas os teus seios pararam de doer e o leite secou quando aquele ser que antes parecia tão frágil quanto uma pétala de rosa foi perdendo a fragilidade e ao mesmo tempo descobrindo um mundo só para si. E apesar de teus cuidados, incansáveis diga-se de passagem, e de toda a atenção que estava disposta a oferecer, a passagem dos anos fez com que, sem que te fosse possível fazer algo para impedir, teu filho fosse pouco a pouco dispensando tua atenção em prol daquela oferecida primeiro pelos amiguinhos da escola, depois, já na adolescência, não só por estes mas também pelas garotas; um interesse que, como no meu caso, fazia-te sofrer com minha indiferença, com as respostas malcriadas, com a desobediência e até mesmo com uma rispidez como se você, mãe, fosse quase uma inimiga.
Ah, como somos ingratos com aquela que nos gerou, que nos alimentou quando não éramos capazes de fazê-lo sozinho, que se desesperou quando éramos atacado por uma doença, que nos ensinou as primeiras palavras, que nos deu caráter, dignidade e nos ensinou seus valores na esperança de que nos tornássemos pessoas dignas e honradas, embora alguns de nós preferimos desprezar tudo isso. E muitas vezes nossa ingratidão é tamanha que não fazemos outra coisa a não ser envergonhá-la e fazê-la sofrer como se tudo o que te fizemos passar desde a tua gestação fosse apenas quimera.
Sabe, mãe, é preciso crescer e ficar adulto para compreender o verdadeiro significado desse dia, um dia que é só teu. É preciso que a vida nos atire aos precipícios da existência, que durante a queda, sem ter onde se agarrar, estendamos o braço e gritamos teu nome como fazíamos todas as vezes na infância pelos motivos mais banais, para termos pelo menos uma noção de quanto lhe devemos, de quanto deveríamos fazer por ti e muitas vezes não fazemos. Talvez se todo filho procurasse em algum momento se pôr no teu lugar e fosse capaz de se esforçar um pouco mais para corresponder nem que fosse uma pequenina parte de tuas expectativas dar-te-ia mais valor. Pois uma mãe não deseja nada mais além do que o prazer de se orgulhar do filho, de saber que todo aquele trabalho e dedicação incansáveis por anos a fio não foi em vão.
Sei que talvez não tenha sido o filho dos teus sonhos, aquele que, a cada momento de tua dedicação, teus olhos, como se fossem capazes de antever o futuro, via-o coberto de honrarias. Mas independentemente disso, o pouco que eu possa ser em comparação aos teus sonhos, devo tudo a você, minha mãe. E se não fosse por ti eu simplesmente seria NADA. NADA vezes NADA.
Obrigado, mãe.



ENCONTRE-ME TAMBÉM:
NO ORKUT
NO FACEBOOK
TWITTER
NO MEU BLOG


CONFIRA OS MEUS TEXTOS MAIS LIDOS


LEIA TAMBÉM:
COMO COMENTAR UM TEXTO
COM VOCÊ EM MEUS PENSAMENTOS
O AMOR NÃO TEM HORA
SONHOS QUE EU NÃO POSSO TER
10 MOTIVOS PARA VOTAR NA DILMA
PARA VOCÊ, MEU AMOR
QUANDO VOCÊ CHEGAR
EU SOU UM PAI
SER PAI É...
SE TUDO FOSSE REALMENTE ASSIM...
UMA VERDADE INEGÁVEL
CARTA DE AMOR
4 POEMAS EM HOMENAGEM AO DIA DAS MÃES
IMAGENS DO PASSADO
HOJE, O DIA AMANHECEU MAIS TRISTE
AGORA QUE VOCÊ FOI EMBORA
AUMENTE A LEITURA DE SEUS TEXTOS
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui