Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
80 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57502 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10175)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44274)
Humor (18616)
Infantil (3901)
Infanto Juvenil (2847)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4980)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Destila dor -- 17/11/2018 - 18:35 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Destila dor


A água que desce epiderme abaixo, precisou reciclar a dor de cada lágrima escorrida. O sal cristalizou, mas o destilador continuou a produzir a matéria prima do sal. A lágrima translúcida, exigia a dor profunda e difusa e dali em diante, seguiriatal com um rio de rotas sinuosas. Destilar toda a dor, vertendo em lágrima é a razão da existência do ser inflamado. O que inflama, pulsa. O ser inflamado, liberta sua dor a cada gota de lágrima que mina da visão mais observadora, sem no entanto aprisionar o que se é observado. Pois a dor cabe apenas ao observa {[(DOR)]}.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui