Usina de Letras
Usina de Letras
7 usuários online

Autor Titulo Nos textos

 

Artigos ( 62153 )

Cartas ( 21334)

Contos (13260)

Cordel (10448)

Cronicas (22529)

Discursos (3238)

Ensaios - (10339)

Erótico (13567)

Frases (50555)

Humor (20023)

Infantil (5418)

Infanto Juvenil (4750)

Letras de Música (5465)

Peça de Teatro (1376)

Poesias (140788)

Redação (3301)

Roteiro de Filme ou Novela (1062)

Teses / Monologos (2435)

Textos Jurídicos (1958)

Textos Religiosos/Sermões (6177)

LEGENDAS

( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )

( ! )- Texto com Comentários

 

Nota Legal

Fale Conosco

 



Aguarde carregando ...
Poesias-->POESIA DE GAVETA -- 05/01/2002 - 22:48 (Anita de Souza Coutinho) Siga o Autor Destaque este autor Envie Outros Textos


POESIA DE GAVETA





Me envergonho

Do sentimento

Metafórico momento

Que me acolhe

Onde me ausento

Entregue ao parto-sentimento

De versos, sílabas, hiatos

Meus sentimentos

Baratos

Ingratos momentos

Que me percebo vã

Aranha tecida de seda e lã

Meia de pé direito,

Sem par

Meia dúzia,

Meia mordida na minha maçã.



Me envergonho do verso

Que hora ou outra

Me olha louca

Virgulada e sã

Com asteriscos, adjetivada

Diva, ninfa estirada

Em divã

Emprestado

Tem prestes a zunir

Linha afora

Fora de linha...fora agonia!!!



Me envergonho do meu verso

Verso ligado, sacado

Transado, cismado

Versos de gaveta

Poemas trancados

Segredados

Por pontas de dedos-canetas

Estourados

Rasurados

Pretos-azulados

Meus poemas trancados

Por puro cuidado

Nas gavetas

Dos meus olhos fechados.

Comentarios
O que você achou deste texto?     Nome:     Mail:    
Comente: 
Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui