Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
19 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57517 )
Cartas ( 21184)
Contos (12611)
Cordel (10179)
Crônicas (22288)
Discursos (3141)
Ensaios - (9089)
Erótico (13416)
Frases (44292)
Humor (18621)
Infantil (3907)
Infanto Juvenil (2852)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138244)
Redação (2947)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4986)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->O desaparecimento do poeta -- 18/05/2018 - 07:08 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O desaparecimento do poeta

Breve narrativa de um episódio que colocou o movimento Bidiônico em alerta.


Assíduo da paróquia Bidiônica, o poeta por um período de um mês não fora mais visto pelas redondezas da cidade e muito menos pelas quadradezas da paróquia. Padre Bidião estava preocupado e sentindo a falta do discípulo auxiliar dos eventos bidioniônicos, pois antes mesmo do Padre acordar, todos os dias era o poeta quem arrumava o altar-mor da igreja para as missas Bidiônica. Deixava tudo organizado conforme instruções repassada pelo vigário: o pão, o vinho, a mesa, inclusive era ele quem escolhia a leitura evangélica para a homilia do Padre Bidião. A cidade toda ia à paróquia para ver se o Padre tinha notícias do poeta que animava o coro musical dos beatos perdidos e achados bidionicamente. A missa já não era a mesma e não tinha aquele tom de poesia típico das invocações sagradas do evangelho Bidiônico que segundo ele e o Padre Bidião, seria a porta de entrada à Marte, para cada fiel que o trouxesse no sovaco. Até que, certo dia, eis que o telefone da casa paroquial Bidiônica toca e quem atende é a Major Lalá toda já aparelhada para a busca do poeta em plena caatinga sertaneja, com rifles para até tentar tirá-lo (fosse o caso) da boca de onça. O chamado era da casa do Serviço de Assistência dos Poetas Perdidamente Apaixonados. Lalá ao atender, ouve a pergunta se o endereço fornecido pelo poeta embriagado de amor correspondia à verdade e ela responde que sim, o endereço da residência do poeta era a igreja Bidiônica interplanetária. Pois bem, ela foi com o Padre Bidião ao local buscá-lo e lá chegando estava o poeta perdidamente apaixonado em suas memórias de uma viagem que fez ao encontro da madrugada Madalena dos Portais Poéticos Infinitos. Era ela a responsável por deixar o poeta daquele jeito que só as paixões e amores fazem com os que ousam tecnicar poesia. Foram dias de uma entrega total e ininterrupta que o fizeram afastar do evangelho Bidiônico. Lalá olhava assustada pelo estado em que se encontrava o pintor da poesia. Bidião o ajudou a se levantar e todos fizeram a viagem de volta à paróquia Bidiônica. Ao chegar na cidade, a população começou a correr e gritar pelo poeta que mal reconhecia onde estava, devido ao estado atônito que a paixão nele provocava.
Tudo resolvido e de volta à normalidade, eu Bidião celebrei uma missa em intenção ao retorno do fiel paroquiano, inclusive abençoando a união dele com a Madrugada Madalena para que os devotos do evangelho Bidiônico somassem(em vez de sumir) ao apostolado da igreja Bidiônica.

Palavra da salvação Bidiônica!
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui