Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
107 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57502 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10175)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44274)
Humor (18616)
Infantil (3901)
Infanto Juvenil (2847)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4980)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Martírios -- 05/05/2018 - 12:34 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Martírios

Quando nasci, um forte trovão acordou toda a cidade como se fosse um aviso de uma novidade que descera de Marte, a mando do grande Pai. A cidade correu então à casa de meus pais para averiguar o assunto novo: eu, Bidião. De início me senti invadido feito floresta indígena sob os olhares de uma vizinhança buliçosa da vida alheia. Encarei cada fisionomia que de perto se aproximava e com certa indiferença, desloquei a cabeça para a barriga gestora dos meus primeiros meses de vida e comecei a absorver os martírios que dali em diante fariam parte do processo histórico de minha existência. Cresci pivete calça curta, gola apertada no pescoço e corte de cabelo de soldado, sempre pronto a fotos de família. Minha expressão revelava minha estratégia de sobrevivência que deveria colocar em prática, sob ameaça. Jovem, não apenas joguei mas pisei muito na bola, o que enriqueceu meu currículo existencial. Hoje, vivo os martírios presenteados pelo passado, contudo tenho como companheira ela, aquela estratégia de enfrentamento da vida: a resiliência. Sou avesso à cômodos, prefiro os incômodos desta vida instável, cheia de martírios a lapidar o eu de ontem, de hoje, de sempre. Nela, acomodo ainda que rebelde, meus incômodos diante do meu sagrado templo e no oratório do meu existir, procuro a linearidade dos sentidos, sentidos. Tento não expor todos eles a essa máquina execrável da reciclagem do cotidiano existencial. Procuro a manter a incolumidade deles na mais perfeita originalidade. Talvez, isso justifique minha perfeita unicidade.

Palavra da minha salvação!
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui