Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
77 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57493 )
Cartas ( 21184)
Contos (12620)
Cordel (10174)
Crônicas (22282)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44271)
Humor (18617)
Infantil (3899)
Infanto Juvenil (2844)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138240)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4979)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Andarilhos -- 20/03/2018 - 23:50 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O sinal estava mais que aberto, não funcionava. E por isso mesmo, todos caminhavam num vai e vem ininterrupto com a determinação de alcançar um local ao pódio. Ao mesmo tempo, a platéia assistia ao espetáculo da multidão que ela própria produzia. Barulho, buzinas, carros na contramão e tudo em movimento sem previsão de parar e buscar o oxigênio necessário que permitisse a troca de ideias ou ilusões. Basicamente, a respiração era a ação sofrida por meio da ilusório que fazia viva o inexistencialismo crônico de um povo submetido ao vil metal. Tudo brilhava mas não existia, pois não respirava todas as ilusões inerentes às humanidade sem contos, sem história. Havia muita ação junto ao processo de trocas ilusórias repetidas na ação do “existencialismo”. Aplausos! Vamos em frente povo sem mente que mente na ação do existir conjugado apenas no presente que nada indica. Lá está o vil metal passando de mão em mão, enriquecendo o inexistir e submetendo-o aos infinitos e insondáveis, mas sutis NÃOS. Obras, concretos armados em vidas desarmadas, suscetíveis e desprotegidas pela vida mãe ausente indecente. O caos é o que existe. Tem vida, respira, inspira, suspira, chora, grita, eleva as mãos, faz os passos serem mais apressados com atropelamentos por toda a cidade a serem subnotificados. Ele segue. Continua o caminho sem saber ao certo quando partirá e se chegará ao alicerce que o mantém firme na ousadia de ter fé na humanidade.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui