Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
95 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57505 )
Cartas ( 21184)
Contos (12608)
Cordel (10177)
Crônicas (22283)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13416)
Frases (44277)
Humor (18618)
Infantil (3903)
Infanto Juvenil (2849)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138234)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4981)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Viagem -- 15/03/2018 - 10:51 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Viagem

O ticket havia sido comprado com antecedência e tudo já estava combinado. O roteiro, seria decidido no hotel no momento da chegada assim que fossem recepcionados pelo gerente. A ansiedade por conhecer novos lugares era imensurável, devido ao enorme tempo sem férias. No primeiro dia, providenciou um serviço de transfer que os levasse ao Santuário de Fátima. Quando lá chegaram, sentiram uma paz que transformava as feições de quem jamais pensara em visitar um lugar como esse. Mas a paz que tanto afirmam estar em intrínseca ao ser humano, parece haver sonegado a existência, o que justifica os altos índices de busca de estímulos externos que oferecem uma imagem ainda que momentânea de aparente felicidade. Voltando ao local do Santuário de Fátima, a respiração já não tinha a presença de uma angústia cotidiana de um mundo que se distancia da cristandade. Era necessário, fazer registro que seria guardado no baú da vida. A Nave central da igreja era de uma simplicidade angelical, sem a presença suntuosa de imagens normalmente presentes em diversas igrejas ao estilo Rococó. Era o momento do Angelus e por alguns minutos, o momento seria de contrição que aguarda receber absolvição de inúmeros pecados. Na saída, começou a chover e o frio completava aquele quadro digno de Renoir que dificilmente se consegue algum comprador. A beleza daquele local transfigurava a beleza de quem havia interpretado o ambiente de acordo com o que sentia. E porque sentia, não havia valor.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui