Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
103 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57505 )
Cartas ( 21184)
Contos (12608)
Cordel (10177)
Crônicas (22283)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13416)
Frases (44277)
Humor (18618)
Infantil (3903)
Infanto Juvenil (2848)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138234)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4981)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->A efemeridade de tudo -- 20/02/2018 - 04:47 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A efemeridade de tudo

“Vamos viver o hoje, pois do amanhã, nada sabemos.” Eis o ditado popular, amplamente divulgado, sobretudo por aqueles, que não respeitam o tempo. Ele, o senhor de tudo, jamais há de submeter-se aos caprichos dos humanos mais crédulos de sua superioridade. A humanidade jamais sentirá o que é sentar no trono e acompanhar o desfile dos tolos que fazem questão do desgaste próprio. Pobres humanóides do tempo! Artífices de toda maldade efêmera a querer impor seu ciclo sobre ele! E ele? Ahhhhh… nem liga! Nem aí está para esses marionetes! Quando, o rei se cansa, abandona-os em seu baú feito de madeira que cupim não rói. Ele se diverte e bastante com esses minúsculos seres que se vestem de roupas de grife, se maqueiam e saem a desfilar por meio de fotos que graças ao avanço da tecnologia, os tornam populares. Mas o tempo se diverte, pois ninguém tanto quanto ele chega a ser tão popular. Nem mesmo aquele político a comandar cabos eleitorais extremamente pobres de argumentos, chegam a ser tão populares quanto a sua majestade o TEMPO. Então, os pobres humanóides só têm uma única alternativa que é garantir-se em sua devassidão para ver se consegue ser superior a ele, sob pretexto da “incerteza do amanhã”, pois certo de si, não está. Mas o cidadão tempo, apenas deseja ser condescendente deste miserável ser, do qual tem uma pena enorme, pois sabe que sua dinastia jamais será interrompida.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui