Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
11 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57535 )
Cartas ( 21185)
Contos (12631)
Cordel (10185)
Crônicas (22291)
Discursos (3141)
Ensaios - (9093)
Erótico (13416)
Frases (44315)
Humor (18629)
Infantil (3912)
Infanto Juvenil (2858)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138263)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4990)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->Os donos do lar são os amantes - capítulo IX -- 29/07/2019 - 19:17 (Lorde Kalidus) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Era um dia de semana, eu tava repondo as prateleiras, não lembro de qual seção do mercado. Ele tava na mesma seção, fazendo reposição das mercadorias do mesmo lado que eu, jogando conversa fora como se estivesse esperando o momento certo pra falar no assunto, parecia que precisava ter certeza de que eu ia ser receptiva. Dava pra ver que não era nenhum sem noção, que sabia chegar em mulher e tinha lábia, ao contrário de alguns. E eu já sabia que os caras com quem andava também eram da mesma pegada. Tinha ouvido alguns comentários sobre uma ou outra orgia que eles tinham feito, até mesmo com uma das meninas do mercado, mas ficou só no boato, nunca tinha tido certeza. Seja como for, não ia ficar com essa dúvida por muito tempo.

- E o namoro, Cris, como é que tá indo? Com o mesmo cara ainda, não veio mais te buscar...

- Dificilmente ele vem, faz faculdade e estágio na firma do pai dele. Mas o negócio tá bom, sim, nada do que reclamar. Vamos ver como ficam as coisas depois que ele se formar, aí a gente começa a ver o casamento e tudo o mais.

- Sei... Mas e o que tá rolando entre você e o Vanderson, vocês tavam lá no estoque e a galera disse que você vira e mexe tá trancada com ele no escritório. O que tá pegando? – eu não fiquei ofendida pela pergunta. Se fosse outro qualquer, que não me interessasse, eu ia simplesmente mandar à merda e dizer que aquilo não é assunto dele. Mas, a grande verdade, é que eu já tinha visto ele espionando nas vezes em que eu tava com o gerente no estoque e sabia que tanto ele quanto os outros até batiam punheta assistindo nós dois. Além dos relatos da menina do mercado de quem falei antes, que disse que já tinha gozado muito com ele e os amigos, o que tinha atiçado minha curiosidade.

- O que tá acontecendo é que eu vou casar um dia, sim... mas, antes disso acontecer, nada como experimentar outras pirocas, já que eu não vou poder fazer isso depois que estiver casada. Pelo menos, acho que não...

- Então você curte uma safadeza, né? Porque, se curte mesmo, eu tô marcando com a rapaziada pra fazer um churrasco em casa e você bem que podia colar por lá. É tudo por nossa conta e você aproveita pra ficar conhecendo melhor o resto do pessoal, vai ser da ora... – ele sorria e eu retribuí o sorriso, pois já sabia bem pra que ele tava me chamando. Eles moravam juntos numa casa e eu sabia que não ia ter qualquer interferência quando eu fosse com eles pra tal festa, que o negócio ia pegar fogo e que eu ia me sentir muito realizada. Sem falar que nunca tinha feito grupal antes, era uma coisa que eu tinha muita vontade de fazer.

- Pra quando tá previsto essa festa?

- Passa seu número pra mim e a gente vai se falando.

- Beleza... – trocamos números de telefone e ele ficou de me avisar com antecedência quando tudo estivesse pronto. Falei pro Rafael sobre o assunto e ele achou interessante. Não ligava se eu namorava com você ou dava pra outros caras, mesmo porque ele sabia que eu nunca ia abrir mão de agasalhar aquela jeba monstruosa dele todas as tardes. Os dias foram passando, eu tocava o serviço como podia e, a partir do dia seguinte, comecei a me revezar entre o gerente do mercado e o outro colega, dando pra um no escritório e pra outro no estoque. A gente se escondia ali entre as prateleiras, quando não tinha ninguém por perto, ou já ficava combinado a hora em que íamos lá com os outros pra que ninguém fosse lá importunar. Vez ou outra ele levava um parceiro ou dois, mas não dava pra fazer muita coisa por lá. Mas sentir um me comendo por trás enquanto eu chupava o pau de outro foi muito bom, nunca tinha experimentado isso antes. Não era como com o Rafael, mas eu gostei assim mesmo e ficava cada vez mais ansiosa pela festa. O foda é que um dos três nunca conseguiu me comer, sempre ficava olhando pra ver se aparecia alguém e, quando tudo acabava e começava a entrar gente direto no estoque, chegar caminhão de entrega e tudo, não dava tempo dele aproveitar. Na verdade eu meio que não tava a fim de dar pra ele, já tinha visto ele se masturbar e tinha pau pequeno, não me interessava.

 Finalmente, o dia do churrasco chegou. O gerente do mercado me deu folga no dia, apesar de você achar que eu tava trabalhando. Era num sábado e tinha mais umas quatro ou cinco minas, além dos caras. Duas delas trabalhavam no mercado, as outras eu não conhecia. Clima bom, um pagodinho rolando, cerveja e um ou outro fumando um baseado ou cheirando uma farinha. Eu fiquei de boa, o que me interessava era o sexo. Cheguei a pensar em levar o Rafael junto, mas aí não ia sobrar nada pros outros caras e eu queria experiência com gente diferente. Por algum motivo eu sentia que não ia me desapontar, tinha uma meia dúzia de caras ali, eu já conhecia todos por andar com o dono da festa, mas não tinha dado pra nenhum deles ainda. O que eu não sabia era se alguma das outras também não tinha.

- Galera, hoje é a primeira vez que a Cristiane vem numa festa nossa. Então, ela é a convidada de honra e vai passar pela nossa iniciação.

- Hmmm, já tô me perguntando que tipo de iniciação é essa... tipo um batismo?

- Isso mesmo, querida, disse uma das garotas que eu ainda não conhecia, um batismo que envolve muito sexo e muito banho de leite! – todos riram e eu também não me contive. O dono da festa me puxou pro colo e, logo em seguida, dois dos outros colocaram uma mão em cada um dos meus seios, posando pra foto, que uma das meninas tirou. Eu não consegui disfarçar o espanto e, logo em seguida, em meio aos baseados e a bebida, quem estava mais inibido foi logo se soltando e a putaria não demorou pra começar... as meninas tiravam a roupa e eu, como já sabia por que tava ali, já tratei de abaixar as calças e dar aquela conferida nos paus dos dois que chegaram junto e, tenho que reconhecer, não me desapontei...

- Olha só... – os bichos eram de bom tamanho e deu pra ver que aquele dia eu ia fazer a festa. Me sentia bem à vontade, apesar de não conhecer alguns dos caras que estavam lá mesmo já trabalhando com eles há algum tempo. Enquanto eu mamava os dois o dono da festa tirava minha calça e a minha camiseta, depois me colocou de joelhos e já deu a benga pra eu chupar. Pela primeira vez ia ter três paus ao mesmo tempo na boca, chupando pra um e batendo pra dois, tipo revezamento. Só que logo os outros também chegaram junto e as meninas faziam torcida, zoavam o barraco, trocando de lugar com os caras que, depois de um tempo dando as pirocas pra eu chupar, saíam de lado pras outras duas mamarem também. Aquilo era bom, mas ainda era pouco, eu sentia a boceta pingando e queria agasalhar rola, sentir todos aqueles pintos dentro de mim, um de cada vez. Não sei se era a bebida que tava fazendo efeito ou se a tarada dentro de mim se soltava cada vez mais, mas aquele dia eu queria sentir pica até de óculos.

Me colocaram debruçada na mesa e foram formando fila. Tinha dois comendo as duas meninas enquanto outros três se revezavam em mim. O que tava penetrando pegava na minha cintura, metia gostoso, eu gemia, gozava e nem pensava em você. Era inevitável, não tinha como comparar a intensidade daquilo com o romantismo de ficar de mãos dadas, vendo filme na sala e comendo pipoca no sofá. Aquilo era todo meu tesão, minha libido, minhas fantasias saindo do subconsciente e ganhando a vida real. Depois eu ia voltar pra você, pro nosso namoro, pro cara com quem eu ia construir minha vida, mas ali era a hora de eu me soltar e fazer o que eu gostava realmente.

- Próximo! – eles se cumprimentam tocando um o punho do outro, rindo, e o que me fodia passa a vez pro próximo, que me bate na bunda e soca pra dentro sem dó. A sacanagem toda me estimulava e me deixava cada vez mais doida, mas um detalhe que chamava mesmo a atenção era sentir todos aqueles paus dentro de mim e assimilar a diferença que cada um tinha enquanto me penetrava, fosse por um ser mais grosso ou fino, mais curto ou cumprido ou mesmo pelo ritmo com que faziam o trabalho. As meninas também entraram na dança e enquanto um me comia na mesa os outros dois se juntaram aos amigos, cada um metendo em uma das meninas enquanto a outra chupava o pau de outro. O cheiro de sexo tomava cada vez mais conta do ambiente e isso me excitava mais ainda. Finalmente, o que me fodia me levou pro centro da sala e todos interromperam a orgia, focando somente em mim. Um deles se deitou e me colocaram sentada no seu cacete, que fui cavalgando sem cerimônia, enquanto outro já foi se posicionando atrás de mim, passando um lubrificante no meu cuzinho. Não me preocupei, pois o Rafa já tinha me enrabado e o dele é bem maior, e logo lá estava eu, com uma rola no cu e outra na boceta. As meninas torciam, vibravam e, na minha frente duas rolas que eu chupava ao mesmo tempo enquanto as meninas se revezavam com o que sobrou, sentada na pica e na boca enquanto se beijavam. Depois iam trocando e a roda ia virando, o revezamento não parava, de um jeito que eu chupasse todas as bengas, cavalgasse todos e todo mundo fizesse a festa traçando minha bunda.

Finalmente, a coisa pareceu ter chegado ao clímax. Então, todos pararam, quem tava me comendo saiu e o de baixo mandou que eu levantasse. No meio da sala, me puseram de joelhos e se posicionaram em volta de mim, o dono da festa na minha frente. Sorrindo, como se fosse pra perguntar se eu sabia o que fazer com aquele membro que continuava duro na minha frente, comecei a punhetar e, dos dois lados, as meninas masturbavam dois cada uma. A ideia ficou clara, parecia que o tal batismo ia chegar. Minha respiração ficava mais rápida, como se estivesse influenciada pela dos caras enquanto eu e as meninas manipulávamos seus pintos.

- Relaxa, amiga, daqui a pouco uma chuva de porra vai jorrar em cima de você. Aí você vai estar batizada e passa a fazer parte da galera. – elas riram. Como se não conseguissem pensar em outra coisa a não ser nas mãos delas, os garotos gemiam de forma contida, até, finalmente, a coisa começar. O dono da festa gozou na minha cara, pra depois bater com a vara no meu rosto. Beijei a cabeça e ele saiu de lado, deixando espaço pros próximos. Um por um, às vezes até juntos, gozaram em cima de mim, me dando vários banhos de esperma. Era um esculacho, mas do tipo gostoso, eu adorava ser subjugada e tratada feito uma vadia por aquele pessoal. Nunca tinha passado por aquilo. Levantei e fiz uma reverência enquanto eles batiam palmas, o esperma escorrendo pelo meu rosto e descendo até os peitos, um pouco no meu cabelo. Foi por isso que ele estava meio duro quando você encontrou comigo de noite na minha casa e ficou acariciando. Então, fiquei lá, mais um tempo e, à medida que cada um se recuperava, fomos pro segundo round e eu ia dando pra um de cada vez. De noite, quando te encontrei, não quis nada pois já tava com a bocetinha ardendo e o cuzinho pegando fogo. O jeito foi fazer o estilo moça de família e dizer que a coisa não era bem daquele jeito, que sexo não era prioridade no nosso relacionamento, como não é mesmo. E você, felizmente, foi bem compreensivo e admirou minha atitude. Ainda bem, pois não só eu não queria mais saber de sexo naquele dia como ia ter que ficar inventando explicação pras marcas na minha bunda. 

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 20 vezesFale com o autor