Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
99 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57529 )
Cartas ( 21184)
Contos (12629)
Cordel (10184)
Crônicas (22291)
Discursos (3141)
Ensaios - (9091)
Erótico (13416)
Frases (44312)
Humor (18626)
Infantil (3910)
Infanto Juvenil (2857)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138254)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4989)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->Os donos do lar são os amantes - capítulo VII -- 29/07/2019 - 19:13 (Lorde Kalidus) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Rômulo permanecia atônito diante das revelações da esposa. Aquela garotinha frágil e romântica que ela sempre havia sido, de repente, se mostrava uma fêmea insaciável, depravada, uma mulher que contrariava completamente todos os princípios que lhe haviam sido ensinados e que pareciam ser seguidos por ela desde sua juventude. As imagens dos momentos descritos por ela passam por sua mente e lhe causam um misto de excitação, repulsa e espanto, beirando à náusea não apenas de tudo o que houve, mas até mesmo de sua própria existência, que parece aos poucos ter sido revelada uma mentira até o momento atual.

- Então, você já se encontrava com o cara desde a época da formatura... e continuou se encontrando com ele depois? Como foi isso? Como aconteceu, pergunta ele, andando de um lado para outro na sala de estar, não conseguindo esconder a aflição pelas revelações da esposa. Você aproveitava que eu tava na faculdade e no estágio... e as ocasiões em que a gente não se via porque eu tinha que estudar?

- Também... mas o Rafael não foi o único. Houve outros, no trabalho também. A minha experiência com ele me estimulou muito a procurar outros homens, embora eles fossem muito bem selecionados, pois eu queria me aproximar ao máximo da experiência que tive com ele. E isso não seria qualquer um que poderia me proporcionar.

- No trabalho? E eu, vira e mexe, indo lá pra te buscar!

- Não se exalta. Deixa eu continuar... se é que você quer ouvir mais. – O marido, agora conscientemente traído, talvez por curiosidade, talvez por, no fundo sentir uma faísca de excitação pelas aventuras da esposa infiel, engole seco antes de responder. Então, como se não conseguisse conter a vontade de saber sobre o passado da esposa e sabendo que o que vai ouvir não vai mudar em nada o fato das traições terem ocorrido, ele dá sua resposta.

- Tá, vai... continua.

- Certo. Bom, depois da formatura lá estava você, fazendo a faculdade de manhã e envolvido no estágio na empresa do seu pai à tarde. Nos víamos de noite, como você se lembra e, de dia, lá estava eu, sozinha com minha mãe em casa, dividindo meu tempo entre procurar emprego e fazer currículo e as visitas à casa do Rafael. Ele morava sozinho, então não tinha horário ruim pra ir até lá. E, por incrível que pareça, ele sempre tava disposto, era uma foda melhor do que a outra, eu chegava a perder a conta dos orgasmos que tinha com ele.

O lugar onde ele morava era uma sobreloja. Uma cama de casal, televisão, cozinha, parecia mais uma quitinete, só que maior. Arrumado, mas sem frescuras. Ele passava a tarde me comendo e eu falava sobre como tava procurando emprego enquanto a gente descansava.

- Então, você quer um emprego? Às vezes eu também penso em procurar um.

- E como você banca esse lugar? Até onde eu sei, você não trabalha...

- Bom, ele disse, sorrindo, tem aquela mina, Tábata, que eu traço junto com a mãe. Deu merda, eu sei, o pai descobriu, bateu na mulher, mas, no fim, o chifrudo acabou ficando com as duas porque ia dar mais merda o divórcio do que seguir com o casamento. Sei que deu até Maria da Penha, o marido foi preso e tal. Nem sei se ele sabe que eu ainda traço as duas, mas, seja como for... a mãe é advogada, tem um bom dinheiro, o pai dela, eu acho, é engenheiro... aí, ela me paga o aluguel, mais uma mesada boa, banca a academia e etc. E vira e mexe as duas tão aqui. Pra evitar problema não tô mais comendo nem uma nem outra na casa delas.

- Meu, você não existe... a mãe e a filha??? Quem nem a Lilian e a mãe dela, não acredito...

- Ah, a vida é muito curta e a gente tem que se divertir... não tem porque colocar barreiras entre nosso prazer e a gente, sendo que a vida faz isso o tempo todo.

- E como você consegue dar conta de tanta mulher? Quero dizer, da onde sai todo esse fôlego? Não é só academia e alimentação saudável, tem mais alguma coisa aí. Eu cheguei até a me perguntar se você não é resultado de algum experimento secreto bem-sucedido, ou criação de algum cientista louco... – ele sorriu quando eu disse isso. Mas eu realmente tava curiosa, não era possível um cara normal fazer na cama tudo o que ele fazia. E eu já tinha ouvido falar de uma briga que ele tinha tido com um cara na escola, ele por pouco não quebrou o pescoço dele com um soco, pra não falar que tinha arremessado outro e arrebentado mais uns dois ou três.

- Eu até podia te contar, mas não sei se você ia acreditar em mim...

- Ah, depois de ver uma jeba desse tamanho e sentir o que ela é capaz de fazer, eu acredito praticamente em tudo. Fala.

Pela expressão no rosto dele, a forma como olhava pro vazio e parecia pensativo, dava pra ver que ia me contar alguma coisa difícil de eu acreditar. E realmente foi. Naquela hora eu fiquei meio cética quanto ao que ele disse, não sabia exatamente o que pensar daquilo e fiquei bem confusa com as coisas que ele me disse.

- Você já leu a Bíblia, Cris?

- Bíblia? Não, nunca... nada contra, mas o livro é grande pra cacete e eu nunca me interessei, até porque nunca tive vocação pra crente. E isso mesmo antes de você me apresentar esse seu tacape, eu respondi, rindo e passando a mão no cacete gigantesco.

- Então, você nunca deve ter ouvido falar dos gigantes, né?

- Gigantes? Não, não sei praticamente nada do que tá na Bíblia. O pouco que eu sei é o popular mesmo, feriados santos e essa merda toda... mas por que você tá perguntando? – ele se ajeitou na cama, respirou fundo, e aí começou a me contar.

- Quando Deus criou o mundo Ele mandou vários grupos de anjos para caminhar sobre a terra e proteger os mortais. Mas estes anjos acabaram se envolvendo com as mulheres daqui, muitas vezes gerando filhos com elas; muitos caíram nas orgias, no vício da bebedeira e, depois de um certo tempo, acabaram caçados por outros anjos, que os levaram de volta para o céu para que fossem castigados por Deus.

- Anjos caindo na putaria??? Caralho, juro que eu nunca tinha ouvido falar nisso. Mas e aí, o que isso tem a ver com você?

- Esses gigantes de que eu falei são o resultado das relações desses anjos com as mulheres da terra. São crianças mestiças de anjos com mortais, que nasceram, como já era de se esperar, infinitamente superiores às criaturas constituídas “à imagem e semelhança de Deus”, os humanos. E foram todos caçados pelas hordas do céu, como foi feito com os anjos rebeldes e, posteriormente, destruídos, pois estavam contra o plano divino. – A forma como ele contou a estória dos gigantes realmente me impressionou, talvez pelo fato de ele ter me revelado algo que até então eu não sabia. Mas o principal vinha depois.

- Tá, mas continuo com a pergunta; o que isso tem a ver com você?

- Bom, tudo começou com uma revelação de um estranho sobre mim. Um cara que eu conheci em circunstâncias extremamente bizarras. Eu tava voltando da escola e ele apareceu do nada pra mim em uma praça mais ou menos perto de casa. Começou a falar sobre meus pais, sobre como conheceu minha mãe e eu, não gostando daquilo, já que nunca tinha ouvido falar do cara, caminhei pra cima. Meu soco foi tão rápido quanto forte, mas o cara conseguiu segurar minha mão e, depois, me levantou com um braço só, bem acima da cabeça dele. O sujeito devia ter uns dois metros de altura e era muito forte, me arremessou como se eu fosse um saco de bosta. Eu caí e, quando me levantei pra ir atrás dele, o filho da puta já tinha sumido.

- Cara, que estória! E aí, o que houve depois?

- Comentei com minha mãe sobre o assunto e ela demonstrou preocupação. Foi aí que me contou a verdade sobre aquele sujeito. Ela tinha conhecido o cara alguns anos atrás, numa festa de despedida de solteira. As amigas dela tinham contratado um garoto de programa bem-dotado, que ia comer minha mãe enquanto as amigas e, bom, meu pai assistiam. A putaria correndo solta, as amigas fazendo torcida, meu pai sendo obrigado a assistir tudo e o camarada se servindo da minha mãe, que adorou tudo aquilo. Aí, então, a surpresa maior... o sujeito, esse garoto de programa, é meu pai de verdade.

- É nada... sério?

- A festa acabou saindo do controle. Minha mãe deixou o dito gozar dentro, não se preocupou com preservativo e, então, me contou que o cara que eu pensei que fosse meu pai durante anos é, na verdade, só quem me criou e que eu fui concebido durante uma despedida de solteira.

- Tá, mas e o que você falou sobre o cara? A força dele e tudo o mais... você chegou a falar com ele de novo? Quem é ele?

- Ele me procurou depois e me falou quem é. Sobre a forma como ele e Deus tem uma relação de pai e filho, ao contrário do que o mundo pensa, que nunca foi expulso do céu e que, num momento de tédio ou falta do que fazer, o chamado Pai Eterno criou a humanidade pra viver num mundo que, na verdade, é o inferno que eles pensam que só vão conhecer depois de mortos. Eu mesmo não acreditei na hora, mas aí, então, ele me disse: “se eu sou o príncipe deste mundo, onde mais seria o inferno senão aqui? E quem me daria o aval para fazer o que quero com a humanidade, senão Deus?”

- Peraí! Esse cara que diz que é seu pai... ele disse que é o diabo?

- Você entendeu rápido... e sim, foi exatamente o que ele disse. Mas é aí que a estória começa a ficar interessante; ele é conhecido pelo mundo como diabo, mas nem de longe é o príncipe do mal ou pai da mentira de que falam, pois tanto um como o outro são parte do desígnio humano. Não há bons ou maus, apenas menos ruins, dependendo de sua criação ou objetivos e a justiça é sempre aquilo que favorece a si mesmo. As figuras de Deus e do diabo estão ligadas à forma como seres humanos dependem do medo e da punição e da esperança de redenção para não caírem na barbárie e fazerem aquilo que querem, por mais insano e contrário ao que aprendem desde cedo ser correto ou decente. Mas a grande verdade é que não existe um trono à cuja direita irão se sentar logo depois de morrerem, pois aquilo que conhecem por vida já é uma morte em si. Conseguem ser até mesmo inferiores aos animais que consideram irracionais, pois estes conseguem viver uma vida em ordem, matando uns aos outros apenas por alimento, ao contrário do ser humano, que tem pleno prazer na destruição alheia tanto quanto na própria. Basta observar ao seu redor e você vai ver isso de forma direta e indireta.

Quanto mais ele falava, mais fascinada eu ficava. O discurso dele era iluminado, de certa forma. Podia dizer que era uma iluminação divina, mas aí fiquei na dúvida se o divino realmente existe, exceto pelo que é considerado divino por uma determinada quantidade de pessoas, maior ou menor. E eu me perguntava se aquilo podia ser verdade mesmo, se não era só resultado de uma imaginação muito fértil, mas tenho que admitir que eu já era fascinada demais por ele pra não deixar de ficar impressionada por tudo que disse.

- Bom, mas vamos falar mais do momento atual... você disse que tá procurando trabalho? E já tem alguma coisa em vista?

- Tenho, sim. Amanhã vou numa entrevista num supermercado a umas duas quadras daqui. Tomara que eu consiga, tô precisando mesmo trabalhar.

- E seu namorado? Ele nunca suspeitou da gente?

- Não... ele faz faculdade de manhã e trabalha com o pai de tarde. Acho que nem dá tempo pra pensar nisso. E meu relacionamento com ele é bom, a gente parece até um casal daqueles de filmes românticos.

- Entendi. Deve ser por isso que eu nunca levei romantismo muito a sério.

- Ainda bem... até porque eu não venho te procurar por causa disso... – dei uma risadinha e já peguei no bicho, que logo ficou duro outra vez. A boceta doía, mas eu não conseguia parar de pensar em sentir a rola dentro de mim de novo e caí de boca, até que ficasse no jeito pra ele me comer de quatro outra vez.

- O cara falou que é o filho do diabo? Foi isso que eu entendi, disse Rômulo, sem se conformar.

- Ele falou que bem e mal são noções particulares, que dependem de cada um e que, na verdade, servem apenas pra maquiar nosso próprio mal, uma vez que todos nós somos mais ou menos maus, mas nunca bons de verdade. Mesmo porque, quando somos aquilo que chamaríamos de bons, estamos, na verdade, agindo dessa forma porque, em primeiro lugar, isso é bom pra nós, faz bem a nós mesmos. E o que é feito pros outros no meio dessas ações consideradas boas nada mais é que uma consequência.

- E a gente? Por que você continuou comigo, se esse cara é tão importante pra você?

- Eu não deixei de te amar pelos momentos que eu tenho com ele. Não tinha necessidade de te deixar, porque nosso relacionamento é bom, tem romantismo, ainda que fisicamente você não possa nem de longe ser comparado a ele.

- Então, você só tá usando o cara? É isso?

- Na cama ninguém usa ninguém. Isso não existe. Todo mundo fode, goza e se diverte. Dizer que eu uso o cara pra sexo ou que ele me usa é o mesmo que dizer que eu te uso pra suprir minha necessidade de ter uma relação estável e romântica. São faces de uma mesma moeda... ou seriam, se eu acreditasse nisso de alguém usar alguém em qualquer momento.

- Eu não consigo entender... qual é o meu papel aqui, então? Por que não parece que eu sou marido ou seu homem ou o que quer que seja, eu não consigo entender mais nada.

- Você tem meu amor, nós temos um lar e o constituímos com nosso esforço e trabalho conjunto... mas o desejo não é uma coisa que pode ser domesticada ou se tornar propriedade de alguém. Tanto isso é verdade que prostitutas se deitam com clientes que nem sabem os nomes delas e a prostituição é uma indústria milionária pela forma como é difundida. O mesmo vale pra pornografia. Aliás, por acaso um homem precisa saber o nome da mulher que passa por ele na rua pra olhar pra ela e sentir tesão? A gente sabe que não.

Rômulo passa a mão na cabeça e olha para fora. Não sabe como agir, os sentimentos estão confusos e ele nunca imaginou que a mulher com quem construiu seu lar e com quem dorme há tantos anos tivesse esse tipo de ponto de vista sobre as coisas. E quanto ao homem com quem ela se deita? Será ele realmente quem diz que é? E quanto aos outros? Ele precisava saber mais, não poderia voltar atrás e fingir que nada estava acontecendo, até porque está envolvido em tudo, quer goste quer não.

- Continua contando. – ele se senta no sofá, preparando-se para a continuação dos relatos da esposa.


Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 30 vezesFale com o autor