Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
83 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57502 )
Cartas ( 21184)
Contos (12607)
Cordel (10175)
Crônicas (22280)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13415)
Frases (44274)
Humor (18616)
Infantil (3901)
Infanto Juvenil (2847)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138230)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4980)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Erótico-->Moeda de troca -- 29/06/2019 - 16:06 (Lorde Kalidus) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos

Quando acorda de manhã para ir à escola, Samanta ouve os pais e os sons característicos de que estão na correria para ir para o trabalho. Como é de costume a CBN está ligada e o repórter fala sobre assuntos da cidade que, para a menina que há pouco completou treze anos e tem corpo de dezoito, são completamente desinteressantes. Na cozinha, a mãe prepara o café enquanto o pai faz a barba no banheiro. Olhando no celular ela percebe que ainda tem dez minutos para continuar na cama antes que o pai venha chama-la. Decide então levantar e arrumar a cama, lembrando-se que hoje não quer dar qualquer motivo para que os pais acreditem que ela hoje não vai à escola. Vestindo-se, mantem-se atenta para ter certeza de que seu velho já deixou o banheiro e, tão logo veja que ele caminha pelo corredor em direção ao quarto, ela se apressa, aproveitando-se que a mãe é a última a sair de casa.

Os dois são funcionários públicos, o pai trabalha no tribunal de justiça federal na Paulista, a mãe é auxiliar de enfermagem em um hospital perto de casa na parte da tarde, mas acorda cedo assim mesmo para preparar o café do marido e da filha, além de ir para a academia na parte da manhã. Rosto lavado, dentes escovados, ela já está pronta para tomar café e sair, lembrando-se mais uma vez se está vestida de acordo com a ocasião de hoje e que tem que agir normalmente. Felizmente, os pais vão estar trabalhando e durante a tarde ela vai estar livre. Terminado o café o pai dirige-se ao banheiro, escovando os dentes. Samanta demora mais na mesa por estudar perto de casa e a mãe aproveita para tomar café. As duas jogam conversa fora sobre a academia, escola e assuntos do cotidiano e logo o pai reaparece, beijando a filha no rosto e se despedindo da esposa com um beijo na boca, como faz todos os dias. E como sempre, ao presenciar a cena, Samanta se lembra do estranho que viu saindo de casa sorrindo ao se despedir da mãe no dia em que voltou mais cedo da escola e de como ela reclamava de haver caído no trabalho e de não conseguir se sentar nos dois dias próximos. Hoje é terça, como naquele dia, e ela se pergunta se presenciaria a cena de novo outra vez caso ficasse em casa.

Sem pensar no assunto ela deixa a casa pensando em um dos assuntos que discutiu com a mãe, sobre o telefone celular de último modelo que queria ganhar, conversa que iria decidir o destino que a jovem tomaria hoje. Como já esperava a resposta foi negativa. País em crise, pouco dinheiro, muitas contas, o de sempre. Ela não culpa a mãe nem o pai, que além de trabalhar feito um camelo é mais que provavelmente traído pela mulher. Seja como for, a adolescente não pretende abrir mão do que quer e, pensando nisso, manda uma mensagem pelo celular enquanto se senta no ponto de ônibus, próximo à escola.

Do outro lado da escola, sua amiga, Rosângela, acena e a vê no ponto. As duas estudam em classes separadas, mas são as melhores amigas. Ela entende a vista de Samanta no ponto como um sinal, e se lembra que deverá avisar Rafael que a amiga estará fazendo prova de manhã e que por isso não vai poder atender ao telefone. Rosângela sorri e Samanta retribui. Pouco tempo depois passa um CRV prateado, filmado e, dentro dele, o dono do maior mercado do bairro que, rapidamente, encosta o carro e abre a porta para a adolescente no ponto de ônibus.

Ela entra com um sorriso amarelo, começando a jogar conversa fora com o dono do mercado, que passa a mão em sua coxa grossa sem que ela mostre resistência. Sem conseguir conter a ansiedade, mas demonstrando que está disposta a fazer o que o homem quer, ela pergunta a respeito do celular. O homem lhe mostra um pacote dentro do porta-luvas e ela sorri, então ele lhe diz que isso é só o começo, que ela pode ter muito mais se quiser e que tudo que precisaria é ser boa com ele e fazer o que é pedido. Ela responde que está tudo bem e que não havia motivo por que ambos não poderiam ser amigos.

Depois de algum tempo, os dois estão em um apartamento de propriedade do empresário no centro da cidade. Ela não pergunta a natureza do imóvel ou se ele mora ali, pois sabe que ele mora em uma casa no bairro. Ela admira a decoração, mas não o bastante para deixar de notar que o homem já tira a roupa. Ela hesita por alguns instantes e passa a tirar a sua, sem conseguir olhar para o velho, que, já nu, se aproxima dela com uma ereção que não condiz em nada com a idade que ele possui, mas que, com certeza pode ser arranjada por sua conta bancária, uma vez que ela não acha que sequer a visão de seu corpo nu poderia deixa-lo assim. Lembrando-se do presente no carro, ela senta-se à beirada da cama e toma o membro do homem à mão, olhando-o de ponta à ponta e passando a chupá-lo. Acaba se lembrando do namorado em meio ao sexo oral, mas não se sente culpada por não fazer o mesmo com ele quando pede. A natureza de seu relacionamento com Rafael nada tem a ver com o que está fazendo ali, seu namoro é algo puro, romântico, não devia se misturar com o tipo de imundície que povoa as mentes dos homens. O que ela faz ali é uma troca de favores, seu corpo seria uma moeda de troca e nada mais, não havia por que não fazer o que o velho quer para obter o que ela quer. Admite que sente o desejo de fazer coisas semelhantes com outros garotos do colégio, do bairro, e isso a faz lembrar do rapaz que se exercita na mesma academia que sua mãe. Jamais viria a amá-lo como ama o namorado, mas não hesitou em satisfazer sua libido com ele de forma tão despudorada quanto os desejos que ele despertou nela. Enquanto sua boca absorve o membro do empresário ela não consegue evitar de compará-lo ao do outro garoto, que fazia o que está sugando agora parecer desnutrido.

Samanta avisa o velho que não quer que ele goze em sua boca. O tom de voz não é grosseiro, mas firme. Ele entende e, como não quer perder a menina, decide pedir que ela o masturbe. Ela sabe que não vai ter sorte do membro amolecer devido aos comprimidos que o homem tomou, mas procura fazer com que ele goze o mais rápido possível, ignorando o cansaço da mão. Logo, um jato de esperma jorra e ele relaxa, deitando-se na cama enquanto ela vai ao banheiro lavar as mãos. Nem uma palavra durante esse tempo, mas, tão logo a adolescente volta, ele sinaliza querer mais, pegando uma bisnaga de lubrificante e pedindo sexo anal. Samanta já havia sido enrabada pelo garoto da academia, mas, apesar do outro membro ser maior, ela estava fazendo aquilo voluntariamente. Lembrou-se, então, do celular, e que deveria fazer o que o infeliz queria. Posiciona-se de quatro na cama e o empresário lhe passa o creme no ânus para, logo depois, começar a penetração.

As estocadas incomodam mais pelo fato de não estar gostando daquilo do que pela dor em si. Ela já se prepara para ter de aguentar mais tempo, já que o empresário dificilmente vai gozar tão depressa por se tratar da segunda vez. Ela procura fechar os olhos e pensar no rapaz da academia e até no namorado, que não a penetrou ainda, uma vez que Samanta quer aguardar uma ocasião especial para se entregar a ele. Sim, já havia passado pela cama de vários rapazes, alguns que, talvez o boi não saiba, são seus amigos. Não há sentimento de culpa ou medo na jovem, se ele não a quisesse outro iria querer. Seja como for, a forma como vai se entregar ao namorado é diferente de como tirou a roupa para os homens com quem já esteve, independente de quantos já a penetraram. O físico é algo que não lhe importa, mas é a base do relacionamento para muitos, o que a obriga a manter segredo sobre suas andanças e amantes, fixos ou ocasionais.

Finalmente, depois de um tempo, o dono do mercado ejacula, deixando tudo dentro da adolescente. Ele se retira dela, que caminha até o banheiro e toma um banho rápido, lavando somente o essencial. Então avisa-o de que precisa ir embora, pois a aula logo vai ter acabado. O empresário concorda e, após tomar um banho, se veste. Quando retorna ao quarto Samanta já está pronta, como se não tivesse mais o que fazer ali, e os dois descem até o carro, onde ela recebe seu presente.

Tão logo retornem ao bairro, ela olha para o relógio, seu pacote ainda fechado, e percebe que a mãe deve estar ainda na academia. Decide ir para casa e, mais tarde, ligar para Rosângela, para mostrar o telefone que ganhou. Abre o portão normalmente, estranhando o fato de estar destrancado. Caminhando pela sala de estar ela ouve gemidos vindos do quarto da mãe, já imaginando o que pode ver ao chegar até lá. Conforme ela suspeitava, havia um caso entre ela e o homem da academia. Porém, tão logo ela se aproxime da porta do quarto, percebe que não o homem que havia visto anteriormente, mas o rapaz bem dotado com quem havia saído antes é que está, agora, atrás de sua mãe, que estava de quatro na cama, com a cabeça virada para o outro lado, enquanto ele, notando a presença de Samanta, a encara. A princípio a adolescente não sabe o que pensar mas, logo, sorri para o garoto, que retribui e penetra a mãe da jovem com ainda mais força, arrancando gemidos mais altos, que são abafados pelo travesseiro.

Sem alarde, ela se afasta, caminhando até o seu quarto. Não sabe o que pensar da cena que acabou de ver, mas, estranhamente, ela não a perturba. O pai sempre foi homem pacato, calmo, por algum motivo não estranha o fato de ter se tornado corno. Ela não pretende lhe contar o que viu, não consegue pensar num motivo para fazê-lo. Ao chegar ao quarto fecha a porta, abre o pacote e liga o celular, começando a preparar as configurações para iniciar o acesso à internet e postar fotos novas em sua rede social e também falar com Rosângela e as outras amigas, bem como avisar o namorado de que já está em casa.

Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Seguidores: 1Exibido 47 vezesFale com o autor