Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
103 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57505 )
Cartas ( 21184)
Contos (12608)
Cordel (10177)
Crônicas (22283)
Discursos (3141)
Ensaios - (9088)
Erótico (13416)
Frases (44277)
Humor (18618)
Infantil (3903)
Infanto Juvenil (2849)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138235)
Redação (2946)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2411)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4981)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->A boa forma -- 17/12/2017 - 11:35 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
A boa forma


Estava caminhando pelos arredores da paróquia, quando me deparei com um grupo de mais ou menos vinte frequentadoras assíduas de minhas liturgias diárias. As cumprimentei e perguntei o porquê de tanto exercício físico quando poderiam facilmente adquirir a boa forma se fossem executar as tarefas domésticas diárias. Sim, isso mesmo. E me olharam com tamanho espanto. Comecei a enumerar a quantidade de serviços que poderiam fazer no ambiente doméstico o que lhes garantiria, a forma física tão desejada. E continuei, que o exercício físico que a língua desempenha, poderia ser colocado em prática com os fazeres domésticos. A expressão de todas foi uma enorme queixa, afirmando que as tarefas de casa, não proporcionaram a elas o convívio social. Retruquei, afirmando que elas praticavam a fofoca social, com sabatinas anti- Bidiônicas e, portanto, sem futuro. Sugeri a elas que poderiam exercitar, trabalhando na reforma da paróquia, além da faxina na casa paroquial. Ofereci todas as ferramentas necessárias a uma boa faxina e os EPI para que pudessem efetuar os trabalhos de reforma paroquial, enquanto as ofertas arrecadadas durante a liturgia Bidiônica teriam destino certo para o lar de idosos, sem que fosse preciso eu contratar mão de obra. Provei a elas que em um mês elas estariam em forma física apropriada, além de assegurar a elas que jamais morderiam a língua de tanto enredo da vida alheia. De início, as paroquianas ficaram com tremenda fúria de mim, um padre que sempre desejou que seus paroquianos vissem a vida além dos seus umbigos. Passado uma semana e lá estavam elas, todas com vestimentas de trabalhadores cristãos verdadeiros em prol do bem comum. Percebi então, que nem tudo está perdido, até para elas que vivem a adoração Bidiônica dos santos e santas, na versão delas. Não sei se por conta do período natalino, ou por conta da terapia de choque Bidiônica, o ambiente paroquial foi renovado com o silêncio, trabalho e oração.

Graças se dêem a todos os instantes bidiônicos!!

Ao santuário bidiônico, amém! 🙏🙏🙏
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui