Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
106 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57517 )
Cartas ( 21184)
Contos (12611)
Cordel (10179)
Crônicas (22288)
Discursos (3141)
Ensaios - (9089)
Erótico (13416)
Frases (44292)
Humor (18621)
Infantil (3907)
Infanto Juvenil (2852)
Letras de Música (5479)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138244)
Redação (2947)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4986)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->Confiança -- 11/12/2017 - 06:16 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
Não acertava pois para ele, a vida não era jogo. Combinava e até adiantava algo que, por ventura não conseguisse executar no dia. Diante das oportunidades que ali se apresentavam, a única que mais o interessava, era saber que nada lhe seria promissor se ao toque, não irradiasse vida. Vida que, de tantos períodos vividos não tinha mais a energia que lhe coroava de entusiasmo. Após o bulliyng familiar, não conseguia soltar dos laços das raízes que haviam lhe sufocado. Não conseguia imaginar um dia que tivesse resgatado sua cidadania e dignidade furtadas pelos algozes que hoje estavam a observar-lhe o comportamento de um perfeito monje. Isolado, mas certo da convicção de que só, era a opção adequada ao seu momento de como a partir daquele instante, deveria encarar a vida. Tudo era factível desde quando soube do golpe que estabeleceu e alterou o rumo de sua forma de ver quão vulnerável todo ser é. A questão era o que deveria ser feito após perceber que não se deve confiar em todos, principalmente quando desse universo, fazem parte o sangue que lhe percorre as veias e que nem tudo é em vão no vão da desconfiança. Diante das circunstâncias, aprendeu que o chão é uma bandeja de ovos em promoção e que as ave Marias nem sempre suplicam com a veemência de um fiel. Tudo lhe era temível e inspirava a audácia de um combate a um possível inimigo que surgisse inalando o mesmo ar. Tinha a fúria contida embora temesse um dia arremessá-la ao primeiro ator que resgatasse de volta, sua experiência inevitável e amarga. Entretanto, enquanto vivia, procurava seguir em frente com a cautela peculiar que a vida havia lhe imprimido e diante dos fatos, saberia que todo o impulso deveria ser controlado pois nada traria de volta, o brilho e a alegria de confiar.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui