Usina de Letras
Usina de Letras
                    
Usina de Letras
86 usuários online

 

Autor Titulo Nos textos

 


Artigos ( 57550 )
Cartas ( 21185)
Contos (12637)
Cordel (10186)
Crônicas (22292)
Discursos (3141)
Ensaios - (9093)
Erótico (13416)
Frases (44326)
Humor (18630)
Infantil (3915)
Infanto Juvenil (2861)
Letras de Música (5480)
Peça de Teatro (1320)
Poesias (138276)
Redação (2948)
Roteiro de Filme ou Novela (1056)
Teses / Monologos (2412)
Textos Jurídicos (1926)
Textos Religiosos/Sermões (4994)

 

LEGENDAS
( * )- Texto com Registro de Direito Autoral )
( ! )- Texto com Comentários

 

Nossa Proposta
Nota Legal
Fale Conosco

 



Crônicas-->O golpe -- 08/12/2017 - 14:11 (Padre Bidião) Siga o Autor Destaque este autor Destaque este Texto Envie Outros Textos
O golpe

O preço que esse palhaço cara de pau paga pelo golpe dado, no qual o golpe e a ambição do grupo de TEMER no silêncio da noite cassaram uma mulher eleita democraticamente pelo povo, fizeram um carnaval fora de época na câmara federal que tem a obrigação e o dever de observar a constituição, quando não acontece! Reina o caos e implanta a ditadura fria,besta e cruel...
Sinto a dor do útero Dilma! Você sabe o que é golpe!? Já levou um golpe de um parente!? O natal é a reflexão de um tempo " José": o filho do carpinteiro e lá no doce lar de cada ramificação de uma família Brasil: Uma Lapinha, uma tábua numa sala de cores e Pinheiros. Calor escaldante, um pinto vivo colado na tábua piando, sofrendo dores horríveis para alegria dos " Homens".
Toca o sino na casa do " Senhor" e ainda dizem que é o Deus da humanidade, o pai de um todo, com divisões tantas. A cada mesa do filho de Deus um Natal diferente...
Bimbão, bimbão, bimbão é natal. Tá doente irmão! Não, não! Está molinho, molinho, graças a Deus!
A foto com todos sorrindo no silêncio de cada qual mas, as redes mostram um amor fraterno num povo parado no instante da foto, cada vez que olho para um foto observo alegria, paz e riqueza...
A família do meu Tempo, em que as igrejas pintaram, pinta e vão pintando o cordeiro de um Deus tão distante, só numa aleluia cantada e depois sobe aos céus sentir suas dores bem aventuradas. Mas gritam os resolvidos: "Tem fé em Deus!" ao infeliz que nem água tem para tomar um banho porque o Deus homem cagara, caga e continua cagando pregando a paz na Cunha dele a cada amém, um furto ao comum. Por isso, a desigualdade onde uns com tantos sapatos para dois pés.
Ainda tem inocente na fé da obesidade do papai Noel. Obesidade e suas causas são a doença da humanidade, no poder da acumulação de riquezas, na transformação do ser.
Colocaram na privada e dera descarga e assim caminha a humanidade: de cagada em cagada.
Comentários

O que você achou deste texto?        Nome:     Mail:    

Comente: 
Perfil do Autor Renove sua assinatura para ver os contadores de acesso - Clique Aqui